Newsletter Nº185

Newsletter Nº185
News­let­ter Nº185

Faz hoje anos que nas­cia, em 1793, Michel Chas­les. Este Mate­má­ti­co fran­cês ela­bo­rou a teo­ria da geo­me­tria pro­je­ti­va moder­na, o estu­do das pro­pri­e­da­des de uma linha geo­mé­tri­ca ou figu­ra pla­na que per­ma­ne­ce inal­te­ra­da quan­do a figu­ra é pro­jec­ta­da em um pla­no a par­tir de um pon­to não ou o pla­no ou a figu­ra. No seu tex­to Trai­té de géo­mé­trie, em 1852, Chas­les dis­cu­te o rácio cru­za­do, lápis e invo­lu­ções, todas as noções que ele intro­du­ziu.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1885, Fre­de­rick Han­dley Page. Este pro­jec­tis­ta de aviões bri­tâ­ni­co cons­truiu o Han­dley Page 0/400, o pri­mei­ro bom­bar­dei­ro bimo­tor do mun­do para o Royal Flying Corps, um dos mai­o­res aviões usa­dos na Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al, que rea­li­zou os seus pri­mei­ros bom­bar­dei­ros em gran­de esca­la em ins­ta­la­ções mili­ta­res ini­mi­gas e bases sub­ma­ri­nas em Novem­bro de 1916. Em 1918, ele tinha cri­a­do um bom­bar­dei­ro de qua­tro moto­res que pode­ria ata­car as zonas indus­tri­ais do Saar e do Ruhr, na Ale­ma­nha. Em 1930, ele pro­du­ziu o pri­mei­ro avião civil de 40 luga­res, o Hér­cu­les. Para a Segun­da Guer­ra Mun­di­al, Page vol­tou a pro­du­zir aviões mili­ta­res, sen­do o mais impor­tan­te o bom­bar­dei­ro Hali­fax. O gover­no com­prou 7.000 des­ses aviões. Ele foi con­de­co­ra­do pela sua con­tri­bui­ção para o esfor­ço de guer­ra. Depois da guer­ra, Page pro­je­tou o bom­bar­dei­ro a jato de qua­tro moto­res, o Vic­tor.

Nes­ta sema­na que pas­sou ficá­mos a conhe­cer o novo Rasp­ber­ry PI 3 mode­lo A+. Pas­sou a ser pos­sí­vel ter no foot­print do mode­lo A as capa­ci­da­des de velo­ci­da­de de reló­gio de 1.4Ghz e o mes­mo pro­ces­sa­dor do mode­lo 3 B+ assim como as melho­ri­as tér­mi­cas des­te ulti­mo. Com um pre­ço base de 25 USD este novo mode­lo ape­nas trás 512MB de memó­ria, uma por­ta USB 2.0 e não tem Ether­net. No entan­to tem Dual-band 802.11ac Wifi e Blu­e­to­oth 4.2/BLE.

Ficá­mos hoje a saber que a Spa­ceX con­se­guiu mais um suces­so con­se­guin­do fazer o lan­ça­men­to de um saté­li­te do Qatar e ater­ran­do com suces­so. O Fal­con 9 de dois está­gi­os des­co­lou às 3:46 da tar­de. EST (2046 GMT) de hoje (15 de novem­bro) do com­ple­xo de lan­ça­men­to 39A no Ken­nedy Spa­ce Cen­ter da NASA, na Flo­ri­da. Cer­ca de 32 minu­tos depois, o fogue­tão liber­tou com suces­so sua car­ga, o saté­li­te de comu­ni­ca­ções Es’hail-2, numa órbi­ta de trans­fe­rên­cia geo-esta­ci­o­ná­ria elíp­ti­ca.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker assim como alguns mode­los 3D que pode­rão ser úteis.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº184

Newsletter Nº184
News­let­ter Nº184

Faz hoje anos que nas­cia, em 1656, Edmond Hal­ley. Este astró­no­mo, geo­fí­si­co e mate­má­ti­co inglês, ficou conhe­ci­do por reco­nhe­cer que um come­ta bri­lhan­te (mais tar­de cha­ma­do com o seu nome) apa­re­ceu diver­sas vezes, cal­cu­lan­do sua órbi­ta e pre­ven­do com suces­so seu retor­no. Depois de ter ori­gi­na­do a per­gun­ta que inci­ta­va Isa­ac New­ton a escre­ver o semi­nal Phi­lo­sophi­ae Natu­ra­lis Prin­ci­pia Mathe­ma­ti­ca, Hal­ley edi­tou e orga­ni­zou a sua publi­ca­ção. Hal­ley foi pro­fes­sor de geo­me­tria em Oxford e mais tar­de nome­a­do astró­no­mo real. Hal­ley iden­ti­fi­cou o movi­men­to apro­pri­a­do das estre­las, estu­dou o movi­men­to e as marés da Lua, per­ce­beu que as nebu­lo­sas eram nuvens de gás lumi­no­so entre as estre­las e que a auro­ra era um fenó­me­no liga­do ao mag­ne­tis­mo da Ter­ra. A sua pre­vi­são do trân­si­to de Vénus levou à via­gem do capi­tão James Cook ao Tai­ti.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1848, Got­tlob Fre­ge. Este mate­má­ti­co e lógi­co ale­mão fun­dou a lógi­ca sim­bó­li­ca moder­na e foi o pri­mei­ro a mos­trar a mate­má­ti­ca como uma exten­são da lógi­ca. Ele esten­deu o tra­ba­lho de Boo­le inven­tan­do sím­bo­los lógi­cos (sím­bo­los para “ou”, “se-então”, etc.) que melho­ra­ram a lógi­ca silo­gís­ti­ca que subs­ti­tuiu. Ele tam­bém tra­ba­lhou em ques­tões gerais de lógi­ca filo­só­fi­ca e semân­ti­ca. A sua teo­ria do sig­ni­fi­ca­do, base­a­da em fazer uma dis­tin­ção entre o que um ter­mo lin­guís­ti­co se refe­re e o que ele expres­sa, ain­da é influ­en­te. Fre­ge ten­tou for­ne­cer uma base rigo­ro­sa para a mate­má­ti­ca com base em prin­cí­pi­os pura­men­te lógi­cos, mas aban­do­nou a ten­ta­ti­va quan­do Ber­trand Rus­sell, em cujo tra­ba­lho ele teve uma pro­fun­da influên­cia, apon­tou um para­do­xo que tor­nou o sis­te­ma incon­sis­ten­te.

Faz igual­men­te anos hoje que nas­cia, em 1854, Johan­nes Ryd­berg. Este físi­co sue­co ficou conhe­ci­do pela cons­tan­te de Ryd­berg na sua fór­mu­la empí­ri­ca que rela­ci­o­na­va os núme­ros de onda das linhas espec­trais de um ele­men­to (1890). Esta fór­mu­la expres­sa­va rela­ções fun­da­men­tais nes­sas linhas, que ele supu­nha serem o resul­ta­do da natu­re­za e estru­tu­ra inter­nas dos áto­mos de um ele­men­to. Em 1897, ele suge­riu que um núme­ro ató­mi­co para cada um dos ele­men­tos, em vez de pesos ató­mi­cos, seria uma for­ma melhor para orga­ni­zar os ele­men­tos e a sua peri­o­di­ci­da­de das suas carac­te­rís­ti­cas. O seu tra­ba­lho for­ne­ceu a base para a des­co­ber­ta da estru­tu­ra do invó­lu­cro de elec­trões do áto­mo. Pos­te­ri­or­men­te, foi esta­be­le­ci­do que o núme­ro intei­ro de car­gas posi­ti­vas no núcleo de um ele­men­to (seu núme­ro de pro­tões) cor­res­pon­dia à sua ideia de núme­ro ató­mi­co.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1866, Her­bert Aus­tin. Este enge­nhei­ro inglês fun­dou a Aus­tin Motor Com­pany (1905), cujo mode­lo Aus­tin Seven influ­en­ci­ou mui­to o design bri­tâ­ni­co e euro­peu de car­ros leves. Em 1884, após con­cluir sua edu­ca­ção ini­ci­al, Her­bert mudou-se para Mel­bour­ne, na Aus­trá­lia, e apren­deu enge­nha­ria na Lan­glands Foun­dry. Mais tar­de ele tor­nou-se o geren­te da Wol­se­ley She­ep She­a­ring Com­pany. Em 1893, ele vol­ta ao Rei­no Uni­do com essa empre­sa em 1893 e tor­nou-se logo o geren­te de pro­du­ção. Da expe­ri­ên­cia obti­da nas lon­gas jor­na­das no inte­ri­or da Aus­trá­lia, ele teve uma visão sobre a neces­si­da­de de veí­cu­los movi­dos a gaso­li­na. Em 1895, ele pro­du­ziu o pri­mei­ro car­ro Wol­se­ley (um veí­cu­lo de três rodas) e em 1900, seu pri­mei­ro design de qua­tro rodas Wol­se­ley. Em 1914, a empre­sa pro­du­zia mais de 1000 car­ros com 2000 fun­ci­o­ná­ri­os.

Faz igual­men­te anos hoje que nas­cia, em 1923, Jack Kilby. Este enge­nhei­ro ele­tro­téc­ni­co nor­te-ame­ri­ca­no inven­tou o pri­mei­ro cir­cui­to inte­gra­do (IC), pelo qual par­ti­lhou o Pré­mio Nobel de Físi­ca 2000. O seu inte­res­se por ele­tró­ni­ca cres­ceu no seu pas­sa­tem­po de rádio ama­dor dos tem­pos da esco­la. Anos depois, a tra­ba­lhar na Texas Ins­tru­ments, ele inven­tou uma manei­ra de mini­a­tu­ri­zar um com­pli­ca­do cir­cui­to de tran­sís­to­res, cons­truin­do os seus com­po­nen­tes num blo­co de silí­cio com cone­xões inter­nas que eli­mi­na­vam a fia­ção exter­na. Em 12 de setem­bro de 1958, ele demons­trou seu pri­mei­ro cir­cui­to inte­gra­do ao seu super­vi­sor. Alguns meses depois, um dis­po­si­ti­vo IC numa for­ma melho­ra­da foi inven­ta­do nou­tra par­te por Robert Noy­ce. Geof­frey W.A. Dum­mer tam­bém teve o con­cei­to anos antes, mas não um dis­po­si­ti­vo fun­ci­o­nal. Em setem­bro de 1965, a equi­pa de Kilby desen­vol­veu a pri­mei­ra cal­cu­la­do­ra ele­tró­ni­ca de bol­so usan­do IC’s.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1986, Aaron Swartz. Este pro­gra­ma­dor de com­pu­ta­do­res nor­te-ame­ri­ca­no foi empre­sá­rio, escri­tor, orga­ni­za­dor polí­ti­co e hack­ti­vis­ta da Inter­net. Ele este­ve envol­vi­do no desen­vol­vi­men­to do for­ma­to de feed RSS e no for­ma­to de publi­ca­ção Mark­down, na orga­ni­za­ção Cre­a­ti­ve Com­mons, e na estru­tu­ra do site web.py, e foi co-fun­da­dor da o site de notí­ci­as soci­ais Red­dit. Ele rece­beu o títu­lo de co-fun­da­dor pelo pro­pri­e­tá­rio da Y Com­bi­na­tor, Paul Graham, após a for­ma­ção da Not a Bug, Inc. (uma fusão do pro­je­to Info­ga­mi de Swartz com uma empre­sa diri­gi­da por Ale­xis Oha­ni­an e Ste­ve Huff­man).

Nes­ta sema­na que pas­sou ficá­mos a saber que a IBM vai adqui­rir a Red Hat. Esta aqui­si­ção vem tor­nar a IBM um dos mai­o­res pro­vi­ders de Cloud. Por outro lado refor­ça a pre­sen­ça do Open Sour­ce no mun­do cor­po­ra­te. A Red Hat é a fabri­can­te do RHEL e do Fedo­ra, dis­tri­bui­ção que fez esta sema­na 15 anos.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker assim como um mode­lo 3D que pode­rá ser útil.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº183

Newsletter Nº183
News­let­ter Nº183

Faz hoje anos que nas­cia, em 1863, [Geor­ge Parker](https://en.wikipedia.org/wiki/George_Safford_Parker). Este Inven­tor nor­te-ame­ri­ca­no aper­fei­ço­ou a cane­ta-tin­tei­ro e fun­dou a Par­ker Pen Com­pany para fabri­cá-la. Ele come­çou numa car­rei­ra docen­te que o intro­du­ziu na fal­ta de fia­bi­li­da­de das cane­tas usa­das pelos seus alu­nos. Atra­vés da ven­da e repa­ra­ção delas, ele apren­deu sobre sua cons­tru­ção. Dei­xou de ensi­nar em 1888 para expe­ri­men­tar seu pró­prio pro­je­to. Em 8 de mar­ço de 1892, ele incor­po­rou a Par­ker Pen Com­pany. Pos­te­ri­or­men­te, ele paten­te­ou mui­tas melho­ri­as e foi par­ti­cu­lar­men­te bem-suce­di­do na cri­a­ção de um sis­te­ma fiá­vel de flu­xo de tin­ta.

Faz tam­bém hoje anos que nas­cia, em 1879, [Oskar Barnack](https://en.wikipedia.org/wiki/Oskar_Barnack). Este enge­nhei­ro ale­mão pro­je­tou a pri­mei­ra câma­ra mini­a­tu­ra (1913), a Lei­ca I. A sua intro­du­ção comer­ci­al, adi­a­da pela pri­mei­ra guer­ra mun­di­al, foi fei­ta em 1924 pela empre­sa de óti­ca Ernst Leitz em Wetz­lar, Ale­ma­nha, onde ele esta­va empre­ga­do. Bar­nack era um fotó­gra­fo entu­si­as­ta numa altu­ra em que ape­nas as câma­ras pesa­das esta­vam dis­po­ní­veis. No iní­cio de 1905, ele con­ce­beu usan­do um nega­ti­vo de for­ma­to redu­zi­do, para ser ampli­a­do após a expo­si­ção. Ele adap­tou sua ideia do equi­pa­men­to que ele fez para tirar fotos em fil­mes cine­ma­to­grá­fi­cos para tes­tar a sua sen­si­bi­li­da­de e con­sis­tên­cia antes do uso do fil­me. Para esta câma­ra, Bar­nack esta­be­le­ceu o tama­nho padrão de fil­me de 35 mm ao dobrar o qua­dro de cine­ma padrão de 18x24mm. A sua inven­ção tinha ape­nas 1/250 do peso de uma câma­ra de pla­ca.

Faz igual­men­te anos hoje que nas­cia, em 1911, [Donald Wil­li­am Kerst](https://en.wikipedia.org/wiki/Donald_William_Kerst). Este físi­co nor­te-ame­ri­ca­no inven­tou o beta­tron (1940), o pri­mei­ro dis­po­si­ti­vo para ace­le­rar elec­trões (“par­tí­cu­las beta”) a velo­ci­da­des altas o sufi­ci­en­te para ter um momen­to sufi­ci­en­te para pro­du­zir trans­for­ma­ções nucle­a­res em áto­mos. Os elec­trões são ace­le­ra­dos por indu­ção ele­tro­mag­né­ti­ca num anel em for­ma de donut (toroi­dal) do qual o ar foi remo­vi­do. Este tipo de ace­le­ra­dor de par­tí­cu­las pode pro­du­zir elec­trões de alta ener­gia até 340 MeV para fins de pes­qui­sa, incluin­do a pro­du­ção de rai­os X de alta ener­gia. Para tais velo­ci­da­des altas, o cam­po mag­né­ti­co é aumen­ta­do para coin­ci­dir com o aumen­to rela­ti­vís­ti­co na mas­sa das par­tí­cu­las. Duran­te a Segun­da Guer­ra Mun­di­al, Kerst tra­ba­lhou em Los Ala­mos em um pro­jec­to de bom­ba ató­mi­ca. Ele com­ple­tou o mai­or beta­tron em 1950, na Uni­ver­si­da­de de Illi­nois.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1950. [Robert B. Laughlin](https://en.wikipedia.org/wiki/Robert_B._Laughlin). Este Físi­co nor­te-ame­ri­ca­no par­ti­lhou (com Dani­el C. Tsui e Horst Stör­mer) o Pré­mio Nobel de Físi­ca em 1998 pela pes­qui­sa sobre o efei­to quân­ti­co de Hall fra­ci­o­ná­rio. Num con­du­tor de cor­ren­te, o efei­to Hall clás­si­co é a vol­ta­gem pro­du­zi­da em ângu­lo rec­to com um cam­po mag­né­ti­co, como des­co­ber­to em 1879. Um sécu­lo depois, o físi­co ale­mão Klaus von Klit­zing des­co­briu que num pode­ro­so cam­po mag­né­ti­co a tem­pe­ra­tu­ras extre­ma­men­te bai­xas a resis­tên­cia Hall de um semi­con­du­tor é quan­ti­fi­ca­da em “pas­sos” inte­grais. Usan­do cam­pos mag­né­ti­cos ain­da mais for­tes e tem­pe­ra­tu­ras mais bai­xas, Stör­mer e Tsui des­co­bri­ram eta­pas fra­ci­o­na­ri­as, expli­ca­das pela teo­ria de Laugh­lin de que os elec­trões podem for­mar um novo tipo de flui­do quân­ti­co com qua­si-par­tí­cu­las con­ten­do frac­ções de uma car­ga do elec­trão.

Nes­ta sema­na que pas­sou foi lan­ça­do o Fedo­ra 29. Den­tro de 1 sema­na fará 15 anos des­de que foi lan­ça­do o Fedo­ra 1. Esta nova ver­são do Fedo­ra foi pre­pa­ra­da para dife­ren­tes ambi­en­tes como o “core”, Works­ta­ti­on, Ser­ver, Ato­mic Host, etc. Em ter­mos de novi­da­des esta ver­são trás como prin­ci­pio a sua modu­la­ri­da­de que per­mi­te envi­ar dife­ren­tes ver­sões de paco­tes na mes­ma base do Fedo­ra. Outras gran­des mudan­ças inclu­em o GNOME 3.30 na área de tra­ba­lho, o ZRAM para as ima­gens ARM e uma ima­gem Vagrant para o Fedo­ra Sci­en­ti­fic.

Nes­ta sema­na que pas­sou tam­bém ficá­mos a saber que a NASA desac­ti­vou o teles­có­pio espa­ci­al Kepler. Depois de nove anos no espa­ço pro­fun­do obten­do dados que indi­cam que o nos­so céu será pre­en­chi­do com biliões de pla­ne­tas ocul­tos — mais pla­ne­tas até que estre­las — o teles­có­pio espa­ci­al Kepler da NASA ficou sem com­bus­tí­vel neces­sá­rio para outras ope­ra­ções cien­tí­fi­cas. A NASA deci­diu apo­sen­tar a son­da den­tro de sua órbi­ta actu­al e segu­ra, lon­ge da Ter­ra. Kepler dei­xa um lega­do de mais de 2.600 des­co­ber­tas de pla­ne­tas de fora do nos­so sis­te­ma solar, mui­tas das quais pode­ri­am ser luga­res pro­mis­so­res para a vida.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker assim como um mode­lo 3D que pode­rá ser útil. São apre­sen­ta­das as newe­lec­tro­nics de 22 e 23 de Outu­bro de 2018.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº182

Newsletter Nº182
News­let­ter Nº182

Faz hoje anos que nas­cia, em 1790, Robert Stir­ling. Este inven­tor esco­cês ficou conhe­ci­do pela inven­ção do motor de ciclo Stir­ling. Os seus prin­cí­pi­os foram incluí­dos na sua pri­mei­ra paten­te bri­tâ­ni­ca, No. 4081 (1816), a que ele cha­mou de eco­no­mi­za­dor de calor, enquan­to des­cre­via méto­dos de rege­ne­rar o calor do esca­pa­men­to de vol­ta para os gases de entra­da. Ele con­ti­nu­ou a refi­nar sua ideia duran­te anos na sua ofi­ci­na domés­ti­ca ao lon­go do seu tem­po livre. O pri­mei­ro motor prá­ti­co de Stir­ling gerou cer­ca de 2 cava­los de potên­cia, pas­san­do dois anos bom­be­an­do água para fora de uma pedrei­ra. Em 1843, ele tinha um motor a vapor modi­fi­ca­do que pro­du­zia 37 cava­los de potên­cia. Ele foi aju­da­do na pre­pa­ra­ção de novas paten­tes por seu irmão James, um enge­nhei­ro mecâ­ni­co que geria uma fun­di­ção onde o motor era fabri­ca­do. Robert tam­bém fez ins­tru­men­tos cien­tí­fi­cos.

Faz igual­men­te anos hoje que nas­cia, em 1910, Wil­li­am Higin­botham. Este Físi­co nor­te-ame­ri­ca­no ficou conhe­ci­do por ter inven­ta­do o pri­mei­ro vide­o­jo­go, Ten­nis for Two, como entre­te­ni­men­to para o dia de visi­tan­tes de 1958 no Bro­okha­ven Nati­o­nal Labo­ra­tory. Ele usa­va um peque­no com­pu­ta­dor ana­ló­gi­co com dez ampli­fi­ca­do­res ope­ra­ci­o­nais liga­dos dire­ta­men­te e mos­tra­va uma visão late­ral do vôo cur­vo da bola de ténis num osci­los­có­pio de ape­nas cin­co pole­ga­das de diâ­me­tro. Cada joga­dor tinha um botão de con­tro­le e um botão. No final da Segun­da Guer­ra Mun­di­al, ele tor­nou-se líder do gru­po de ele­tró­ni­ca em Los Ala­mos, Novo Méxi­co, onde a bom­ba nucle­ar foi desen­vol­vi­da.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1928, Peter Naur. Este dina­marquês é um pio­nei­ro da ciên­cia da com­pu­ta­ção e ven­ce­dor do pré­mio Turing. Seu sobre­no­me é o “N” na nota­ção BNF (for­ma Bac­kus – Naur), usa­do na des­cri­ção da sin­ta­xe para a mai­o­ria das lin­gua­gens de pro­gra­ma­ção. Ele con­tri­buiu para a cri­a­ção da lin­gua­gem de pro­gra­ma­ção ALGOL 60. As suas prin­ci­pais áre­as de pes­qui­sa foram design, estru­tu­ra e desem­pe­nho de pro­gra­mas de com­pu­ta­dor e algo­rit­mos. Áre­as como enge­nha­ria de soft­ware e arqui­te­tu­ra de soft­ware tam­bém foram pio­nei­ras na Naur. No seu livro Com­pu­ting: A Human Acti­vity (1992), que é uma cole­ção das suas con­tri­bui­ções para a ciên­cia da com­pu­ta­ção, ele rejei­tou a esco­la for­ma­lis­ta de pro­gra­ma­ção que vê a pro­gra­ma­ção como um ramo da mate­má­ti­ca. Ele não gos­ta­va de estar asso­ci­a­do com a for­ma Bac­kus-Naur (atri­buí­da a ele por Donald Knuth) e dis­se que pre­fe­ri­ria que ela fos­se cha­ma­do de for­ma nor­mal de Bac­kus.

Esta sema­na ficá­mos a saber que a son­da Curi­o­sity está par­ci­al­men­te ope­ra­ci­o­nal e já envia ima­gens tira­das com as câma­ras do lado A. Estas não eram usa­das des­de 2013. As ope­ra­ções cien­ti­fi­cas vol­ta­ram a puder ser fei­tas ain­da que limi­ta­das até que a equi­pa pos­sa resol­ver a ano­ma­lia de que a son­da pade­ce na sua memó­ria.

Tam­bém esta sema­na a NASA deu gran­des pas­sos para colo­car em fun­ci­o­na­men­to um giros­có­pio de bac­kup do teles­có­pio espa­ci­al Hub­ble que esta­va incor­rec­ta­men­te retor­nan­do taxas de rota­ção extre­ma­men­te altas. O giros­có­pio de bac­kup foi liga­do depois do teles­có­pio ter entra­do em modo de segu­ran­ça devi­do a uma rota­ção com falha na sex­ta-fei­ra, 5 de Outu­bro. As taxas de rota­ção pro­du­zi­das pelo giros­có­pio de bac­kup foram redu­zi­das e ago­ra estão den­tro de um inter­va­lo espe­ra­do. Tes­tes adi­ci­o­nais serão rea­li­za­dos para garan­tir que o Hub­ble pos­sa retor­nar às ope­ra­ções cien­tí­fi­cas com este giros­có­pio.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker. É apre­sen­ta­da a revis­ta Mag­PI Nº75 de Novem­bro.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº181

Newsletter Nº181
News­let­ter Nº181

Faz hoje anos que nas­cia, em 1787, Robert Livings­ton Ste­vens. Este enge­nhei­ro nor­te-ame­ri­ca­no e pro­jec­tis­ta de navi­os inven­tou o car­ril fer­ro­viá­rio T inver­ti­do e o espi­gão de fixa­ção fer­ro­viá­rio. Ele des­co­briu que os tri­lhos colo­ca­dos em bar­ro­tes de madei­ra, com bri­ta ou cas­ca­lho por bai­xo, pro­por­ci­o­na­vam uma estra­da supe­ri­or a qual­quer outra conhe­ci­da ante­ri­or­men­te. Ele tam­bém adi­ci­o­nou o pilo­to — objec­to em for­ma de V para des­vi­ar obs­tá­cu­los da linha — à loco­mo­ti­va, e aumen­tou o núme­ro de rodas motri­zes para oito para melhor trac­ção.

Faz igual­men­te hoje anos que nas­cia, em 1799, Chris­ti­an Fri­e­dri­ch Schön­bein. Este Quí­mi­co ger­ma­no-suí­ço des­co­briu e deu nome ao ozó­nio (1840) e foi o pri­mei­ro a des­cre­ver o gun­cot­ton (nitro-celu­lo­se). Ele notou que o ozó­nio apa­re­cia duran­te tem­pes­ta­des e cha­mou ao ozó­nio o gás pelo seu chei­ro pecu­li­ar (ozo é gre­go para o olfac­to). Expe­ri­ên­ci­as pos­te­ri­o­res mos­tra­ram que o envio de uma cor­ren­te eléc­tri­ca atra­vés de oxi­gé­nio puro e seco (O2) cria ozó­nio (O3). A sua des­co­ber­ta do pode­ro­so explo­si­vo cha­ma­do nitra­to de celu­lo­se, ou arma de algo­dão, foi o resul­ta­do de um aci­den­te de labo­ra­tó­rio. Um dia, em 1845, der­ra­mou áci­do sul­fú­ri­co e nítri­co e enchar­cou-o com um aven­tal de algo­dão. Depois que o aven­tal secou, ele explo­diu em cha­mas — ele tinha cri­a­do a celu­lo­se nitra­da. Ele des­co­briu que o nitra­to de celu­lo­se podia ser mol­da­do e tinha algu­mas pro­pri­e­da­des elás­ti­cas. Even­tu­al­men­te foi usa­do para pól­vo­ra sem fumo.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1902, Pas­cu­al Jor­dan. Este físi­co ale­mão no final dos anos 1920 co-fun­dou (com Max Born e depois Wer­ner Hei­sen­berg) a mecâ­ni­ca quân­ti­ca usan­do méto­dos matri­ci­ais, mos­tran­do como a luz pode­ria ser inter­pre­ta­da como com­pos­ta de quan­tum de ener­gia. Mais tar­de, (com Wolf­gang Pau­li e Euge­ne Wig­ner), enquan­to ain­da esta­va nos seus está­gi­os ini­ci­ais de desen­vol­vi­men­to, ele con­tri­buiu para as mecâ­ni­cas quân­ti­cas de inte­rac­ções elec­trão-fotão, ago­ra cha­ma­das de elec­tro­di­nâ­mi­ca quân­ti­ca. Ele tam­bém ori­gi­nou (con­co­mi­tan­te­men­te com Robert Dic­ke) uma teo­ria da cos­mo­lo­gia que pro­pu­nha fazer as cons­tan­tes uni­ver­sais da natu­re­za (como a cons­tan­te gra­vi­ta­ci­o­nal uni­ver­sal G), variá­vel ao lon­go do tem­po.

Foi hoje lan­ça­do o mais recen­te sis­te­ma da Cano­ni­cal o Ubun­tu 18.10. Este sis­te­ma encon­tra-se foca­do em ambi­en­tes mul­ti-cloud, desen­vol­vi­men­to de soft­ware de Inte­li­gên­cia Arti­fi­ci­al, traz um novo tema de ambi­en­te de tra­ba­lho comu­ni­tá­rio e uma inte­gra­ção mais afi­na­da com os SNAPs. Este sis­te­ma usa o GNOME 3.30 e o Ker­nel Linux 4.18. Outros des­ta­ques inclu­em o supor­te Vera­Crypt no GNOME Disks, efei­tos sua­ves de visu­a­li­za­ção e zoom de desk­top, supor­te para des­blo­que­ar o seu PC com impres­sões digi­tais, melhor supor­te Snap, inte­gra­ção de tele­fo­ne móvel com GS Con­nect, assim como supor­te para a ges­tão de dis­po­si­ti­vos Thun­der­bolt no pai­nel de con­fi­gu­ra­ções. Na base do sis­te­ma foram actu­a­li­za­das as fer­ra­men­tas de desen­vol­vi­men­to que con­sis­tem em GNU C Library (Glibc) 2.28, GNU Com­pi­ler Col­lec­ti­on (GCC) 8.2, OpenS­SL 1.1.1, Python 3.6.7 (padrão) e 3.7.1, Boost 1.67, Ruby 2.5.1, Perl 5.26.2, PHP 7.2.10, Golang 1.10.4, Rust 1.28 e OpenJDK 11.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker. É apre­sen­ta­da a revis­ta Hacks­pa­ce Nº12 e o Volu­me 4 do “The Offi­ci­al Rasp­ber­ry PI Pro­jects Book”.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.