Newsletter Nº222

Newsletter Nº222
Newsletter Nº222

Faz hoje anos que nascia, em 1885, George de Hevesy. Este químico húngaro-dinamarquês-sueco recebeu o Prémio Nobel de 1943 por desenvolver técnicas de traçador isotópico que permitiram entender os caminhos químicos dos processos da vida. Por exemplo, um isótopo radioactivo de fósforo, preparado em soluções de fosfato de sódio pode ser injectado em animais e humanos, e amostras de sangue são analisadas. Isto mostra que o conteúdo de fósforo radioactivo no sangue humano cai depois de apenas 2 horas para apenas 2% de sua quantidade original, à medida que muda de lugar com os átomos de fósforo dentro dos tecidos, órgãos e esqueleto. Ele também descobriu, com Dirk Coster, o elemento hafnium (1923).

Faz também hoje anos que nascia, em 1889, Walter Gerlach. Este físico alemão ficou conhecido pelo seu trabalho com Otto Stern sobre as de-flexões de átomos em um campo magnético não homogéneo. A experiência Stern-Gerlach é uma demonstração da orientação espacial restrita de partículas atómicas e subatómicas com polaridade magnética, realizada no início da década de 1920 pelos físicos alemães Otto Stern e Walther Gerlach. Na experiência, um feixe de átomos de prata neutros foi direccionado através de um conjunto de fendas alinhadas, depois através de um campo magnético não uniforme (não homogéneo).

Faz igualmente hoje anos que nascia, em 1924, Georges Charpak. Este Físico polaco-francês recebeu o Prémio Nobel de Física em 1992 pela sua invenção e desenvolvimento de detectores de partículas subatómicas, em particular a câmara proporcional multi-filar, um avanço na técnica para explorar as partes mais internas da matéria. Como os físicos de partículas têm focado o seu interesse em interacções de partículas muito raras, que frequentemente revelam os segredos das partes internas da matéria, às vezes apenas uma interacção de partículas em um bilião é a única pesquisada. Charpak substituiu agora métodos fotográficos inadequados por electrónicos modernos que ligavam o detector directamente a um computador.

Por fim, faz hoje anos que nascia, em 1945, Douglas Osheroff. Este físico norte-americano partilhou com David M. Lee e Robert Richardson) o Prémio Nobel de Física de 1996 pela descoberta da super-fluidez no isótopo hélio-3. Quando o hélio é reduzido na temperatura em direcção ao quase zero absoluto, ocorre uma estranha transição de fase, e o hélio toma a forma de um superfluido. Os átomos tinham até esse ponto movido-se com velocidades e direcções aleatórias. Mas como um superfluido, os átomos passam a mover-se de forma coordenada.

Nesta semana que passou ficámos a saber que a Fujitsi mantém em pleno funcionamento um computador feito em 1959. Um técnico – Tadao Hamada – de 49 anos assegura o seu funcionamento. Ele acredita que manter a operacionalidade histórica do FACOM128B ajudará a levar a herança tecnológica do Japão à posteridade. O computador, que pesa três toneladas, faz barulhos ruidosos cada vez que faz um cálculo abrindo e fechando interruptores usando um electro-íman. O modelo FACOM128B, desenvolvido pela Fujitsu em 1959 como um computador pioneiro fabricado no Japão para competir com a International Business Machines Corp. nos Estados Unidos, adoptou a tecnologia de retransmissão usada no núcleo das centrais telefónicas.

Também esta semana que passou ficámos a saber que a Intel lançou a primeira 10ª geração de processadores Intel Core. Estes novos processadores da 10ª Geração Intel Core mudam o paradigma do que significa entregar liderança em plataformas de PC móvel. Com IA em larga escala pela primeira vez em PCs, uma arquitectura gráfica totalmente nova, o melhor da classe Wi-Fi 6 (Gig +) e Thunderbolt 3 – todos integrados no SoC, graças à tecnologia de processo de 10 nm da Intel.

Ainda esta semana que passou um grupo de investigadores publicou um artigo onde descreve lentes de contacto que podem mudar o foco e a ampliação quando se pisca os olhos. Há duas partes na nova lente de contacto, a primeira é a própria lente, que imita como a lente no olho humano funciona. Em vez de tecido orgânico, é feito de camadas de filmes de polímeros elásticos que alteram sua estrutura quando uma corrente eléctrica é aplicada. Nesse caso, os fios fornecem electricidade de uma fonte de energia externa, o que faz com que as camadas se expandam, reduzindo a espessura da lente ou contraindo, o que tem o efeito oposto.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversos projetos de maker. São também apresentados um conjunto de livros escritos por James M. Fiore sobre electrónica.

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.