Newsletter Nº292

Newsletter Nº292
Newsletter Nº292

Faz hoje anos que nascia, em 1616, o matemático inglês John Wallis. Ele foi responsável pela introdução do símbolo de infinito na matemática. Wallis era habilidoso em criptografia e descodificava mensagens monárquicos para os parlamentares durante a Guerra Civil. Posteriormente, ele foi nomeado para a Cadeira de Geometria Salvador em Oxford em 1649, uma posição que ocupou até sua morte mais de 50 anos depois. Wallis fazia parte de um grupo interessado em ciência natural e experimental que se tornou a Royal Society, então Wallis é um membro fundador da Royal Society e um de seus primeiros Fellows. Wallis contribuiu substancialmente para as origens do cálculo e foi o matemático inglês mais influente antes de Newton.

Faz também hoje anos que nascia, em 1753, o inventor britânico Samuel Crompton. Ele, durante a Revolução Industrial, criou a “mula giratória”. O fio contínuo, forte e fino que foi capaz de girar foi um benefício para os fabricantes de tecido de algodão. Era chamado de “mula” porque era um híbrido das ideias de Richard Arkwright e James Hargreaves. A fiação tinha chegado à maioridade desde a ocupação doméstica até a produção da fábrica.

Faz igualmente hoje anos que nascia, em 1877, o inventor e pioneiro da aviação neozelandês Richard Pearse. Aos 21 anos, construiu uma oficina com uma forja e um torno para se tornar num inventor. A sua primeira patente foi um tipo de bicicleta. Em 1902, Pearse provavelmente tinha construído um motor leve de dois cilindros e primeiro avião a partir de bambu, aço tubular, arame e tela. Os relatos das datas e detalhes de seus voos variam porque não foram documentados, mas acredita-se que a 31 de Março de 1903 ele fez pelo menos uma descolagem propulsionada, embora não um voo controlado e sustentado, cobrindo talvez 350 metros antes de bater numa cerca alta. (Seria a quinta descolagem bem sucedida no mundo.) Ele fez outras invenções em sua vida.

Faz também hoje anos que nascia, em 1886, o fisico sueco Manne Siegbahn. Ele recebeu o Prémio Nobel de Física em 1924 pelas suas descobertas e investigações em espectroscopia de raios-X. Em 1914 ele começou os seus estudos na nova ciência da espectroscopia de raios-X que já tinha estabelecido a partir de espectros de raios-X que existiam duas ‘conchas’ distintas de electrões dentro dos átomos, cada uma dando origem a grupos de linhas espectrais, rotulados de ‘K’ e ‘L’. Em 1916, Siegbahn descobriu uma terceira série, ou “M”. (Mais foram encontrados mais tarde em elementos mais pesados.) Refinando o seu equipamento de raio-X e técnica, ele foi capaz de aumentar significativamente a precisão de suas determinações de linhas espectrais. Isto permitiu que ele fizesse correcções na equação de Bragg para difracção de raios-X para permitir os detalhes mais finos da difracção de cristal.

Faz igualmente hoje anos que nascia, em 1924, o cientista da computação norte-americano John Backus. Ele foi responsável pela invenção da linguagem de programação FORTRAN (FORmula TRANslation) em meados da década de 1950. Ele já tinha desenvolvido uma linguagem assembly para o computador 701 da IBM quando sugeriu o desenvolvimento de um compilador e linguagem de mais alto nível para o IBM 704. Como a primeira linguagem de programação de computador de alto nível, o FORTRAN foi capaz de converter fórmulas e expressões matemáticas padrão no código binário usado pelos computadores. Assim, um não-especialista poderia escrever um programa em palavras e símbolos familiares, e diferentes computadores poderiam usar programas gerados na mesma língua. Isto abriu caminho para outras linguagens de computador, como o COBOL, o ALGOL e o BASIC.

Faz também hoje anos que nascia, em 1933, o químico holandês Paul J. Crutzen. Ele recebeu o Prémio Nobel da Química de 1995 por demonstrar, em 1970, que compostos químicos de óxido de nitrogénio aceleram a destruição do ozono estratosférico, que protege a Terra da radiação ultravioleta do Sol. O seu trabalho, publicado em 1970, mostrou que os óxidos de nitrogénio NO e NO2 reagem de forma catalítica com ozono, acelerando assim a taxa de quebra de ozono para O2 na estratosfera. Estes óxidos de nitrogénio são formados principalmente pela decomposição do óxido nitroso (N2O) que se origina de transformações microbiológicas no solo. Ele dividiu o prémio com os químicos Mario Molina e F.Sherwood Rowland, que descobriram em 1974 que gases fabricados clorofluorcarbonetos (CFC) também contribuíam para o esgotamento do ozono.

Por fim, faz hoje anos que nascia, em 1942, o ceramista norte-americano Peter C. Schultz. Ele, trabalhando com os investigadores da Corning Glass Robert Maurer e Donald Keck, desenvolveu a fibra óptica, capaz de transportar 65.000 vezes mais informações do que o fio de cobre convencional, uma realidade prática. Em 1970, Maurer, Keck e Schultz projectaram e produziram a primeira fibra óptica com perdas ópticas baixas o suficiente para amplo uso em telecomunicações. A fibra óptica é feita de dióxido de silício (areia pura) e pó de quartzo para fazer uma haste oca. Um gás aquecido é então soprado através da haste oca para deixar um fino depósito de vidro ultra-puro no interior da haste. O tubo é então aquecido e colapsado numa haste sólida com núcleo de vidro ultra-puro. Estas “hastes” de vidro são mais finas que um cabelo e podem dobrar, elas são muito resistentes.

Faz hoje 110 anos que as luzes de Néon desenvolvidas pelo físico francês Georges Claude, fizeram a sua estreia pública no Paris Motor Show. A luz colorida é produzida através da passagem da corrente eléctrica através de gases inertes num tubo de vácuo. Este efeito foi produzido após décadas de experiências para criar uma alternativa prática à iluminação incandescente. A sinalização de néon chegou à América quando Earle C.Anthony comprou dois cartazes por US$ 2.400 em Paris e as instalou na sua concessionária Packard em Los Angeles. O gás néon brilha um vermelho-laranja ardente; árgon é lavanda macia; gás árgon melhorado com mercúrio é azul brilhante. Mais de 150 cores podem ser alcançadas combinando diferentes gases (incluindo crípton, xénon e hélio) e fósforos que revestem o interior do tubo de vidro.

Nesta semana que passou o Telescópio do Observatório de Arecibo em Porto Rico entra em colapso meses após cabos quebrarem. O enorme e já danificado radiotelescópio Arecibo entrou em colapso completamente depois da sua plataforma receptora de 900 toneladas cair sobre o prato do reflector abaixo. O telescópio desempenhou um papel fundamental em descobertas astronómicas por mais de meio século e entrou na cultura popular com aparições em filmes de Hollywood como GoldenEye e Contact. A Fundação Nacional de Ciência dos EUA (NSF) já tinha anunciado anteriormente que o Observatório de Arecibo seria fechado.

Também nesta semana que passou a sonda Chang’e-5, lançada na passada semana, completa a recolha de amostras da superfície Lunar, onde aterrou com sucesso. As amostras foram embaladas e armazenadas no dispositivo de armazenamento. Posteriormente a sonda já saiu da superfície lunar estando neste momento a caminho da Terra. Passaram mais de 40 anos desde que amostras lunares foram trazidas pela última vez de volta à Terra.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversas noticias, artigos científicos assim como projetos de maker. É apresentado o livro The Official Raspberry Pi Handbook 2021.

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.