Newsletter Nº286

Newsletter Nº286
Newsletter Nº286

Faz hoje anos que nascia, em 1881, o físico norte-americano Clinton Davisson. Ele dividiu o Prémio Nobel de Física em 1937 (com o inglês George P. Thomson) por descobrir que os electrões podem ser difractados como ondas de luz, verificando assim a tese de Louis de Broglie de que os electrões comportam-se tanto como ondas assim como partículas. Davisson estudou o efeito do bombardeamento de electrões em superfícies e observou que o ângulo de reflexão pode depender da orientação do cristal. Seguindo a teoria de Louis de Broglie da natureza ondulatória das partículas, ele percebeu que os seus resultados poderiam ser devidos à difracção de electrões pelo padrão dos átomos na superfície do cristal. Davisson trabalhou com Lester Germer numa experiência na qual electrões ricocheteando numa superfície de níquel produziram padrões de onda semelhantes aos formados pela luz reflectida numa rede de difracção e apoiando o comprimento de onda do electrão de Broglie. Esta descoberta foi aplicada ao estudo da estrutura nuclear, atómica e molecular. Davisson ajudou a desenvolver o microscópio electrónico que usa a natureza de onda dos electrões para ver detalhes mais pequenos que o comprimento de onda da luz visível.

Faz também hoje anos que nascia, em 1902, o químico norte-americano Frank Spedding. Ele desenvolveu processos de redução de elementos individuais de terras raras ao estado metálico a baixo custo, tornando assim essas substâncias disponíveis para a indústria a preços razoáveis. Anteriormente, após a descoberta da fissão nuclear em 1939, o governo dos Estados Unidos pediu aos principais cientistas que se unissem ao desenvolvimento da energia nuclear. Em 1942, Frank H. Spedding do Iowa State College, um especialista em química de terras raras, concordou em estabelecer a parte Ames do Projecto Manhattan, tendo como resultado um procedimento fácil e barato para produzir urânio de alta qualidade.

Por fim, faz hoje anos que nascia, em 1905, o engenheiro electrotécnico norte-american Karl Guthe Jansky. Ele descobriu as emissões de rádio cósmicas em 1932. Nos laboratórios Bell em NJ, Jansky estava a seguir os ruídos crepitantes de estática que atormentavam a recepção de telefone no exterior. Ele descobriu que certas ondas de rádio vinham de uma região específica do céu a cada 23 horas e 56 minutos, da direcção de Sagitário em direcção ao centro da Via Láctea. Na publicação do seus resultados, ele sugeriu que a emissão de rádio estava de alguma forma ligada à Via Láctea e que provinha não de estrelas, mas de gás interestelar ionizado. Aos 26 anos, Jansky fez uma descoberta histórica – que os corpos celestes podiam emitir ondas de rádio assim como ondas de luz.

Foi a 22 de Outubro de 1879 que a longa série de experiências de Edison a testar materiais como filamento de luz eléctrica chegou a um ponto crítico. Charles Batchelor, a trabalhar no laboratório de Edison em Menlo Park, produziu iluminação durante 14 horas e meia a partir de uma lâmpada usando um fio de algodão carbonizado. Ela falhou quando foi adicionada energia extra. No entanto, esta foi uma melhoria tão substancial, que a atenção se voltou para melhorar o filamento carbonizado. As patentes foram registadas e, em dois meses, o progresso com a lâmpada Edison foi tornado público. Um artigo foi publicado em 21 de Dezembro pelo New York Herald. Nessa altura, o laboratório de Menlo Park estava permanentemente iluminado pelas lâmpadas incandescentes de Edison.

Nesta semana que passou foi lançada a versão 20.10 da Distro de Linux Ubuntu. Esta Distro é criada pela Canonical e esta versão tem como principais novidades o GNOME 3.38, o Kernel Linux 5.8, o GCC 10 e o Python 3.8. Esta é a primeira versão que suporta oficialmente o Raspberry PI 4.

Também nesta semana que passou a sonda OSIRIS-REx entrou em contacto com o asteróide Bennu e fez recolha de amostras. Este momento foi muito celebrado uma vez que este é o quarto ano desta missão e este é um ponto crucial da mesma. A sonda agora deverá regressar à Terra e chegar daqui a três anos, em 2023.

Nesta semana foi também apresentada pela fundação Raspberry PI a versão SOM (system-on-module) do Raspberry PI 4. Esta versão apresenta uma grande novidade relativamente às anteriores – deixou de usar os conectores do tipo JEDEC DDR2 e passou a usar um conector de alta densidade. Construído com o mesmo processador BCM2711 quad-core de 64 bits do Raspberry Pi 4, o novo Compute Module 4 oferece uma mudança radical no desempenho em relação aos seus predecessores: núcleos de CPU mais rápidos, melhor multimédia, mais recursos de interface e, pela primeira vez, uma escolha de capacidade de RAM e uma opção de conectividade Wifi. Existem 32 variantes de onde escolher, entre as varias opções de RAM, storage eMMC e Wifi. A placa de Módulos de I/O onde se encaixa a nova SOM tem suporte para dois HDMI, Gigabit Ethernet, uma PCI Express Gen2, RTC com bateria e duas Portas USB 2.0.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversas noticias, artigos científicos assim como projetos de maker. É apresentada a revista Hackspace Magazine Nº36 de Novembro.

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.