Newsletter Nº277

Newsletter Nº277
Newsletter Nº277

Faz hoje anos que nascia, em 1779, o químico sueco Jons Jacob Berzelius. Ele estabeleceu as bases da química moderna. Entre suas contribuições estão a determinação de pesos atómicos, a substituição de signos alquímicos por letras para símbolos químicos e o uso de pequenos números para indicar proporções relativas a fórmula de um composto, novos métodos analíticos e uma teoria electroquímica. Ele descobriu o selénio e o tório e co-descobriu o cério. Os seus alunos isolaram lítio (Johann Awfwedsen), vanádio (Nils Sefstrom) e vários elementos de terras raras (Carl Mosander). Berzelius usou uma corrente eléctrica para determinar que os sais podiam ser divididos em partes positivas e negativas.

Faz também hoje anos que nascia, em 1957, o matemático britânico Simon Donaldson. Ele recebeu a Medalha Fields em 1986 pelo seu trabalho em topologia. Quase todo o seu trabalho se enquadra nas duas esferas de geometria diferencial de feixes de vectores holomórficos e aplicações da teoria de calibre para topologia de 4 variedades. Surpreendentemente, Donaldson resolveu problemas de matemática usando ideias da física (enquanto a maioria da matemática é geralmente aplicada à física). A partir das generalizações de Yang-Mills das equações electromagnéticas de James Clerk Maxwell, Donaldson usou soluções especiais para essas equações, chamadas instantons, para examinar as quatro variedades gerais. Depois de receber a Medalha Fields, Donaldson continuou sua exploração de ideias da física com aplicações à matemática.

E nesta semana que passou, o Zwicky Transient Facility (ZTF), uma câmara de pesquisa robótica localizada no Observatório Palomar perto de San Diego, avistou um asteróide que tinha, poucas horas antes, viajado apenas 2.950 quilómetros acima da superfície da Terra. Designado por 2020 QG, é o asteróide conhecido que mais próximo passou pela Terra sem chocar com o planeta. O Asteróide 2020 QG tem cerca de 3 a 6 metros de diâmetro, e como tal não era grande o suficiente para causar qualquer dano, mesmo se tivesse vindo na direcção da Terra; a nossa atmosfera trataria de o queimar.

Também esta semana que passou, cientistas resolveram um problema antigo de calcular em que medida a nossa lua se está a afastar da Terra. A Lua afasta-se sensivelmente quatro centímetros da Terra por ano. Durante décadas, os cientistas mediram o recuo da lua disparando um laser contra painéis reflectores de luz, conhecidos como retro-reflectores, que foram deixados na superfície lunar, e cronometrando a viagem de ida e volta da luz. Mas os cinco retro-reflectores da lua são antigos e agora são muito menos eficientes a lançar a luz de volta. Para determinar se uma camada de poeira lunar pode ser a culpada, os investigadores desenvolveram um plano audacioso: eles lançaram a luz laser de um retro-reflector muito menor, mas mais recente, montado a bordo de uma nave espacial da NASA que estava a deslizar sobre a superfície da lua a milhares de quilómetros por hora. E funcionou. Os resultados foram publicados este mês na revista Earth, Planets and Space.

Ainda esta semana a Cerebras anunciou um novo recorde para processadores. Foi anunciado o novo CWSE (Cerebras Wafer Scale Engine) usando tecnologia de 7 nm e produzido pela TSMC ele tem 850,000 cores optimizados para IA, com 2.6 Biliões de Transístores.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversas noticias, artigos científicos assim como projetos de maker. É apresentada a revista Hackspace Magazine Nº34 de Setembro assim como alguns livros.

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.