Newsletter Nº254

Newsletter Nº254
Newsletter Nº254

Faz anos hoje que nascia, em 1790 o quimico inglês John Frederic Daniell. Ele foi responsável pela invenção da célula Daniell, que foi uma grande melhoria em relação à célula voltaica usada nos primeiros dias do desenvolvimento da bateria. A sua pesquisa em 1820 levou à invenção de um higrómetro que media a humidade relativa que posteriormente se tornou um instrumento padrão. Daniell iniciou experiências em 1835, na tentativa de melhorar a bateria voltaica com seu problema de ser instável e como uma fonte fraca de corrente eléctrica. Em 1836, ele inventou uma célula primária na qual o hidrogénio foi eliminado com a geração da electricidade. Daniell tinha resolvido o problema da polarização devido a uma fina película de bolhas de hidrogénio que se formava sobre o eléctrodo positivo que reduzia a corrente.

Faz também anos hoje que nascia, em 1824, o físico alemão Gustav Kirchhoff. Ele juntamente com Robert Bunsen, estabeleceu a teoria da análise de espectro (uma técnica para análise química, analisando a luz emitida por um material aquecido), aplicada por Kirchhoff para determinar a composição do Sol. Ele descobriu que quando a luz passa através de um gás, o gás absorve os comprimentos de onda que seriam emitidos se aquecidos, o que explicava as numerosas linhas escuras (linhas de Fraunhofer) no espectro do Sol. Nas leis de Kirchhoff (1845), ele generalizou as equações que descrevem o fluxo de corrente no caso dos condutores eléctricos em três dimensões, estendendo a lei de Ohm ao cálculo das correntes, tensões e resistências das redes eléctricas. Ele demonstrou que a corrente flui num condutor de resistência zero à velocidade da luz.

Faz igualmente anos hoje que nascia, em 1838, o químico inglês William Henry Perkin. Enquanto experimentava sintetizar o quinino a partir de um produto químico do alcatrão de carvão, Perkins misturou anilina e dicromato de sódio e inesperadamente encontrou uma cor densa – que ele denominou roxo anilina – que extraiu com álcool. Ele descobrira o primeiro corante artificial. Os têxteis da sua época eram coloridos de fontes naturais; a dele era uma alternativa valiosa. Aos 18 anos, ele patenteou o corante. O seu pai investiu em seus esforços para fabricar o corante. Foi colocado à venda em 1857 e tornou-se popular na França. Aos 23 anos, ele era pai de uma nova indústria química orgânica sintética.

Faz também anos hoje que nascia, em 1905, o engenheiro electrotécnico norte-americano Chauncey Guy Suits. Ele ajudou a desenvolver um novo processo, anunciado em 1962, para criar diamantes sintéticos comprimindo carbono numa grande prensa hidráulica a pressões de até três milhões de libras por polegada quadrada, enquanto simultaneamente aquecido a 9.000 ºF, sem a necessidade do agente catalisador de metal usado anteriormente. Ele possuía 77 patentes nos EUA, em aplicações variadas, como melhorias de sinal de bloqueio ferroviário, circuitos para sinais eléctricos que piscam em sequência, circuitos de rádio, sinalizadores, sinais submarinos, redutores de luz de teatro e relés fotoeléctricos.

Por fim, faz anos hoje que nascia, em 1925, o físico japonês Leo Esaki. Ele partilhou (com Ivar Giaever e Brian Josephson) o Prémio Nobel de Física (1973) em reconhecimento pelo seu trabalho pioneiro em tunelamento de electrões em sólidos. A partir de algumas experiências aparentemente simples publicadas em 1958, ele foi capaz de desvendar os processos de tunelamento em sólidos, um fenómeno que estava coberto de perguntas por décadas. O tunelamento é um efeito mecânico quântico no qual um electrão passa através de uma barreira em potencial, embora a teoria clássica previsse que não poderia. A descoberta do Dr. Esaki levou à criação do díodo Esaki, um componente importante da física do estado sólido com aplicações práticas em circuitos de alta velocidade encontrados em computadores e redes de comunicações.

E nesta semana que passou o tema dominante foi o COVID-19, nome dado a doença provocada por uma estirpe de coronavirus (SARS-CoV-2) descoberta em final de 2019 e que teve origem em Wuhan na China.
Até agora tinha sido uma doença que afectava o mundo mas à qual Portugal tinha ficado de fora não sofrendo (de forma muito visível) os efeitos que outros países já estavam a sofrer. Mas esta semana deixou de ser uma doença que afecta os outros e passou a afectar o nosso quotidiano. Tendo passado à categoria de pandemia significa que todos os países estão em risco. E é particularmente importante que cada um de nós contribua activamente para o controlo desta doença seguindo os conselhos da OMS evitando locais com densidade elevada de pessoas, deslocações desnecessárias, lavar as mãos com frequência, evitar cumprimentos próximos como apertos de mão ou beijinhos, evitar tocar com as mãos nos seus olhos, boca ou nariz, e usar o bom senso nas compras de bens evitando o desperdício.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversos projetos de maker.

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.