Newsletter Nº242

Newsletter Nº242
News­let­ter Nº242

Faz hoje anos que nas­cia, em 1813, Tho­mas Andrews. Este físi­co irlan­dês demons­trou a con­ti­nui­da­de dos esta­dos gaso­so e líqui­do, duran­te o qual, duran­te as mudan­ças entre os dois esta­dos, as pro­pri­e­da­des físi­cas não apre­sen­tam mudan­ças brus­cas. Ele des­co­briu a tem­pe­ra­tu­ra crí­ti­ca do dió­xi­do de car­bo­no (1861), aci­ma da qual o gás não pode ser lique­fei­to ape­nas pela pres­são. Ele escre­veu: Ain­da pode­mos viver para ver … cor­pos como oxi­gé­nio e hidro­gé­nio no líqui­do, tal­vez até no esta­do sóli­do. Ele mediu com pre­ci­são calo­res de neu­tra­li­za­ção, for­ma­ção e reac­ção; e calor laten­te de eva­po­ra­ção. Andrews foi o pri­mei­ro a usar um “calo­rí­me­tro de bom­ba” — um reci­pi­en­te metá­li­co for­te e sela­do para medir o calor da com­bus­tão. Ele estu­dou o ozo­no e pro­vou que é um aló­tro­po — ou for­ma alte­ra­da — de oxi­gé­nio.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1852, Albert A. Michel­son. Este físi­co ale­mão-ame­ri­ca­no mediu com pre­ci­são a velo­ci­da­de da luz e rece­beu o Pré­mio Nobel da Físi­ca de 1907 “pelos seus ins­tru­men­tos ópti­cos de pre­ci­são e pelas inves­ti­ga­ções espec­tros­có­pi­cas e metro­ló­gi­cas” que ele rea­li­zou com eles. Ele pro­jec­tou o inter­ferô­me­tro Michel­son alta­men­te pre­ci­so e o usou para esta­be­le­cer a velo­ci­da­de da luz como uma cons­tan­te fun­da­men­tal. Com Edward Mor­ley, ele tam­bém o usou na ten­ta­ti­va de medir a velo­ci­da­de da Ter­ra atra­vés do éter (1887). A expe­ri­ên­cia pro­du­ziu resul­ta­dos nulos que leva­ram Eins­tein à sua teo­ria da rela­ti­vi­da­de. Ele mediu a bar­ra padrão em Paris como 1.553.163,5 com­pri­men­tos de onda da linha ver­me­lha de cád­mio (1892–3).

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1943, Wil­li­am DeVri­es. Este cirur­gião car­día­co ame­ri­ca­no fez o pri­mei­ro implan­te huma­no de um cora­ção arti­fi­ci­al per­ma­nen­te, o Jarvik‑7, num paci­en­te car­día­co ter­mi­nal, Bar­ney Clark, 61 anos, a 2 de Dezem­bro de 1982, na Uni­ver­si­da­de de Utah, Salt Lake City. Ele sobre­vi­veu duran­te 112 dias, mas nun­ca foi for­te o sufi­ci­en­te para dei­xar o hos­pi­tal. O dis­po­si­ti­vo, inven­ta­do por Robert K. Jar­vik, bom­be­a­va san­gue atra­vés de tubos ali­men­ta­dos por um com­pres­sor exter­no. Foram fei­tas mais qua­tro ten­ta­ti­vas de implan­tes per­ma­nen­tes, mas depois aban­do­na­das, pois os pro­ble­mas téc­ni­cos do Jarvik‑7 con­ti­nu­a­vam sem solu­ção. O segun­do, e mai­or sobre­vi­ven­te, foi Wil­li­am J. Sch­ro­e­der, que rece­beu um Jarvik‑7 em 25 de Novem­bro de 1984 no Huma­na Hos­pi­tal Audu­bon em Louis­vil­le, Ken­tucky. Ele viveu 620 dias, mor­ren­do em Agos­to de 1986 aos 54 anos.

Nes­ta sema­na que pas­sou o Rover 2020 da NASA com­ple­tou o seu pri­mei­ro tes­te. Uma ava­li­a­ção pre­li­mi­nar das suas acti­vi­da­des a 17 de Dezem­bro, per­mi­tiu cons­ta­tar que o veí­cu­lo espa­ci­al vali­dou todas as cai­xas neces­sá­ri­as enquan­to se des­lo­ca­va para fren­te e para trás e fazia piru­e­tas numa sala lim­pa no Labo­ra­tó­rio de Pro­pul­são a Jato da NASA em Pasa­de­na, Cali­fór­nia. A pró­xi­ma vez que o veí­cu­lo espa­ci­al Mars 2020 con­du­zir, esta­rá a fazê-lo em solo mar­ci­a­no.

E nes­ta sema­na que pas­sou foi tam­bém anun­ci­a­da uma par­ce­ria entre a Apple, a Ama­zon, a Goo­gle e a Zig­bee para for­mar um gru­po de tra­ba­lho para desen­vol­ver um padrão aber­to para dis­po­si­ti­vos domés­ti­cos inte­li­gen­tes. A ini­ci­a­ti­va desig­na­da por “Pro­ject Con­nec­ted Home over IP” visa desen­vol­ver um padrão aber­to que aumen­ta­rá a com­pa­ti­bi­li­da­de de pro­du­tos domés­ti­cos inte­li­gen­tes em vári­as pla­ta­for­mas, com segu­ran­ça e pri­va­ci­da­de como prin­cí­pi­os fun­da­men­tais do seu dese­nho. O novo padrão tor­na­rá mais sim­ples para as equi­pas de desen­vol­vi­men­to a cons­tru­ção de dis­po­si­ti­vos com­pa­tí­veis com ser­vi­ços domés­ti­cos inte­li­gen­tes e assis­ten­tes de voz, garan­tin­do que os con­su­mi­do­res pos­sam esco­lher facil­men­te pro­du­tos domés­ti­cos inte­li­gen­tes que fun­ci­o­nem per­fei­ta­men­te jun­tos.

Tam­bém esta sema­na a fun­da­ção Rasp­ber­ry PI anun­ci­ou um novo mar­co de 30 milhões de Rasp­ber­ry PI pro­du­zi­dos des­de 2012. Con­si­de­ran­do que o co-fun­da­dor da Rasp­ber­ry Pi Foun­da­ti­on, Ebert Upton, tinha expec­ta­ti­vas mui­to mais modes­tas des­de o iní­cio, pre­ven­do ven­das de ape­nas 10.000 uni­da­des tra­ta-se de uma mar­ca de rele­vo. O Rasp­ber­ry Pi gerou toda uma indús­tria de pla­cas e, enquan­to alguns supe­ram o Rasp­ber­ry Pi em espe­ci­fi­ca­ções, nenhum deles o desa­fia seri­a­men­te no pre­ço. Além dis­so, o Rasp­ber­ry Pi pos­sui o mai­or ecos­sis­te­ma de pla­cas de hard­ware e supor­te de soft­ware do sec­tor ape­nas com­pa­ra­do ao Ardui­no, ain­da que nou­tro seg­men­to.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker. São apre­sen­ta­das as revis­tas newe­lec­tro­nics de 10 de Dezem­bro, a Mag­PI nº89 e a Hacks­pa­ce Maga­zi­ne nº26 de Janei­ro de 2020, é tam­bém apre­sen­ta­do o livro “The Essen­ti­al Gui­de to Elec­tro­nics in Shenzhen”.

E esta é a ulti­ma News­let­ter antes do Natal e nes­se sen­ti­do, em meu nome e em nome do altLab gos­ta­ria de dese­jar a todos votos de Boas Fes­tas e de Feliz Natal.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.