Newsletter Nº213

Newsletter Nº213
News­let­ter Nº213

Faz hoje anos que nas­cia, em 1423, Georg von Peur­ba­ch. Este mate­má­ti­co e astró­no­mo aus­tría­co pro­mo­veu o uso de alga­ris­mos ará­bi­cos (intro­du­zi­do 250 anos antes no lugar dos nume­rais roma­nos), espe­ci­al­men­te numa tabe­la de senos que ele cal­cu­lou com pre­ci­são sem pre­ce­den­tes. Ele mor­reu antes que este pro­jec­to esti­ves­se ter­mi­na­do e seu alu­no, Regi­o­mon­ta­nus, con­ti­nu­ou até a sua pró­pria mor­te. Peur­ba­ch era um segui­dor da astro­no­mia de Pto­lo­meu. Ele insis­tiu na rea­li­da­de sóli­da das esfe­ras de cris­tal dos pla­ne­tas, indo um pou­co além dos escri­tos de Pto­lo­meu. Ele cal­cu­lou tabe­las de eclip­ses em Tabu­lae Ecclip­sium, obser­vou o come­ta de Hal­ley em Junho de 1456 e o eclip­se lunar de 3 de Setem­bro de 1457 de um local per­to de Vie­na. Peur­ba­ch escre­veu sobre astro­no­mia, as suas obser­va­ções e desen­vol­veu ins­tru­men­tos astro­nó­mi­cos.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1908, Han­nes Alf­vén. Este astro­fí­si­co sue­co foi um dos fun­da­do­res do cam­po da físi­ca dos plas­mas (o estu­do dos gases ioni­za­dos). Ele par­ti­lhou o Pré­mio Nobel de Físi­ca em 1970 (com o fran­cês Louis Néel). Alf­vén foi reco­nhe­ci­do “pelo tra­ba­lho fun­da­men­tal em mag­ne­to-hidro­di­nâ­mi­ca com apli­ca­ções notá­veis em dife­ren­tes par­tes da físi­ca dos plas­mas”. Ele con­ce­beu a cos­mo­lo­gia do plas­ma como uma alter­na­ti­va à teo­ria do Big Bang da ori­gem do uni­ver­so. No con­cei­to de cos­mo­lo­gia do plas­ma, o uni­ver­so não tem um come­ço espe­cí­fi­co nem tem um fim pre­vi­sí­vel. Em vez de um domí­nio por for­ças gra­vi­ta­ci­o­nais, a teo­ria sus­ten­ta que são as for­ças elec­tro­mag­né­ti­cas do plas­ma em todo o uni­ver­so que orga­ni­zam a maté­ria do uni­ver­so em sua estru­tu­ra obser­va­da de estre­las.

Faz igual­men­te anos hoje que nas­cia, em 1916, Joseph W. Ken­nedy. Este quí­mi­co e físi­co nor­te-ame­ri­ca­no, foi um dos qua­tro co-des­co­bri­do­res do plu­tó­nio, (ele­men­to 94) que foi pro­du­zi­do a par­tir de óxi­do de urâ­nio bom­bar­de­a­do com deu­té­rio num ciclo­tron na Univ. da Cali­fór­nia em Ber­ke­ley. Pos­te­ri­or­men­te, em 28 de Mar­ço de 1941, Glenn Sea­borg, Emi­lio Segrè e Joseph Ken­nedy demons­tra­ram que o plu­tó­nio, como o U235, é fis­si­o­ná­vel com neu­trões len­tos, por­tan­to neu­trões de qual­quer velo­ci­da­de, o que impli­ca que é um poten­ci­al mate­ri­al de bom­ba de fis­são. Ele foi ins­tru­tor de quí­mi­ca enquan­to tra­ba­lha­va no pro­jec­to de pes­qui­sa lide­ra­do por Glenn Sea­borg na Uni­ver­si­da­de da Cali­fór­nia, em Ber­ke­ley. Depois de tra­ba­lhar com a Sea­borg, Ken­nedy foi esco­lhi­do por J. Robert Oppe­nhei­mer para lide­rar a Divi­são de Quí­mi­ca do Pro­jec­to Manhat­tan.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1934, Alek­sey Arkhi­po­vi­ch Leo­nov. Este cos­mo­nau­ta rus­so, foi o pri­mei­ro homem a sair de uma nave espa­ci­al. Em 18 de Mar­ço de 1965, Voskhod 2 foi lan­ça­do ao espa­ço levan­do Leo­nov com Pavel Belyayev a bor­do. Na segun­da órbi­ta, Leo­nov dei­xou a nave espa­ci­al atra­vés da fecha­du­ra à pres­são enquan­to ain­da esta­va amar­ra­da à nave. Ele fez fil­mes e pra­ti­cou a movi­men­ta­ção fora da nave por 10 minu­tos. Voskhod 2 fez 17 órbi­tas a cer­ca de 177 km aci­ma da ter­ra. Dez anos depois, em 17 de Julho de 1975, Leo­nov coman­dou a nave Soyuz sovié­ti­ca, que esta­va em órbi­ta com uma nave nor­te-ame­ri­ca­na Apol­lo.

Nes­ta sema­na que pas­sou ficá­mos a saber que a Spa­ceX lan­çou 60 saté­li­tes Star­link do Spa­ce Laun­ch Com­plex 40 (SLC-40) no Cabo Cana­ve­ral, na Flo­ri­da. O Star­link da Spa­ceX é uma rede de saté­li­tes de últi­ma gera­ção capaz de ligar o mun­do, espe­ci­al­men­te para aque­les que ain­da não estão conec­ta­dos, com ser­vi­ços de Inter­net de ban­da lar­ga con­fiá­veis e aces­sí­veis. O pri­mei­ro está­gio do Fal­con 9 para esta mis­são apoi­ou ante­ri­or­men­te a mis­são Tels­tar 18 VANTAGE em Setem­bro de 2018 e a mis­são Iridium‑8 em Janei­ro de 2019. Após a sepa­ra­ção da pri­mei­ra fase, a Spa­ceX pou­sou o pri­mei­ro está­gio do Fal­con 9 no navio “Of Cour­se I Still Love You” que esta­va no Oce­a­no Atlân­ti­co. Apro­xi­ma­da­men­te uma hora e dois minu­tos após o lan­ça­men­to, os saté­li­tes Star­link foram posi­ci­o­na­dos a uma alti­tu­de de 440 km. Eles então usa­ram a pro­pul­são a bor­do para atin­gir uma alti­tu­de ope­ra­ci­o­nal de 550 km.

Tam­bém esta sema­na o rover Curi­o­sity da NASA con­fir­mou que a região em Mar­te que está a explo­rar, cha­ma­da de “uni­da­de argi­lo­sa”, é bem mere­ce­do­ra de seu nome. Duas amos­tras que o rover recen­te­men­te per­fu­rou em zonas de rocha cha­ma­dos “Aber­lady” e “Kil­ma­rie” reve­la­ram as mai­o­res quan­ti­da­des de mine­rais de argi­la já encon­tra­das duran­te a mis­são. Ambos os alvos de per­fu­ra­ção apa­re­cem num novo sel­fie tira­do pelo rover a 12 de Maio de 2019, o dia mar­ci­a­no, ou sol, da mis­são.

Nes­ta sema­na que pas­sou tam­bém che­ga­ram inú­me­ras novi­da­des da Com­pu­tex 2019 que se rea­li­za em Taiwan e que ter­mi­na no pró­xi­mo dia 1 de Junho. A Intel apre­sen­tou a 10ª gera­ção de pro­ces­sa­do­res Intel Core e pro­jec­to Athe­na. A NVIDIA apre­sen­tou novas pla­cas capa­zes de fazer ray-tra­cing em tem­po-real pos­si­bi­li­tan­do uma nova gera­ção de jogos. A AMD vol­tou a fazer his­tó­ria com o anún­cio de pro­du­tos de com­pu­ta­ção e grá­fi­cos de alto desem­pe­nho base­a­dos em tec­no­lo­gia de 7nm.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker. É apre­sen­ta­da a revis­ta Mag­PI nº82 de Junho.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.