Newsletter Nº131

Newsletter Nº131
Newsletter Nº131

Faz hoje anos que nascia, em 1815, George Boole. Este matemático inglês ajudou a estabelecer a lógica simbólica moderna e uma álgebra de lógica, agora designada de álgebra booleana. Ao substituir operações lógicas por símbolos, Boole mostrou que as operações poderiam ser manipuladas para obter resultados logicamente consistentes. A álgebra lógica de Boole é essencialmente uma álgebra de classes, baseando-se em conceitos como complemento e união de classes. O estudo da lógica matemática ou simbólica desenvolveu-se principalmente a partir de suas ideias e a base para o desenho de circuitos de computadores digitais. As álgebras booleanas também encontram aplicações importantes em campos tão diversos como topologia, teoria das medidas, probabilidade e estatística. Boole também escreveu importantes trabalhos sobre equações diferenciais e outros ramos da matemática.

Faz também hoje anos que nascia, em 1894, Alexander Lippisch. Este desenhador aerodinâmico germano-americano cujos projectos de aeronaves com asas em formato delta nas décadas de 1920 e 1930 foram importantes no desenvolvimento de aviões de jacto e foguete de alta velocidade. Lippisch baseou sua aeronave na forma de uma flecha neste exemplo da natureza – uma semente voadora de uma planta tropical enviada a ele por um amigo. Ele verificou que a asa perto do corpo deveria ser mais espessa para que pudesse ser utilizada para armazenamento adicional, tornando possível a asa próxima ao corpo mais longa. Foi assim que ele chegou à asa em forma de delta.

Faz igualmente anos hoje que nascia, em 1929, Richard E. Taylor. Este físico canadiano foi pioneiro nas investigações sobre dispersão inelástica profunda de electrões em protões e neutrões ligados, que têm sido de importância essencial para o desenvolvimento do modelo quark em física de partículas. A equipa constituída por ele, Jerome Friedman e Henry Kendall realizou uma série de experiências que confirmaram a hipótese de que os protões e os neutrões são compostos de quarks. Esta descoberta foi crucial para a formulação da descrição teórica actualmente aceita da matéria e suas interacções, conhecida como modelo padrão. Em 1990 a equipa ganhou o prémio Nobel da Física pelos seus trabalhos.

Por fim, faz anos hoje que nascia, em 1932, Melvin Schwartz. Este físico norte-americano ficou conhecido pelas suas pesquisas sobre neutrinos (partículas subatómicas que não possuem carga eléctrica e praticamente nenhuma massa). Usando um feixe de neutrinos, a equipa descobriu um novo tipo de neutrino chamado múon e novas informações sobre a estrutura das partículas chamadas leptões. Neutrinos são produzidos quando os núcleos atómicos instáveis ou partículas subatómicas se desintegram. Schwartz e a sua equipa queriam estudar a força nuclear “fraca” que cria certos tipos de radioactividade. A equipa usou um acelerador de partículas para criar um feixe de neutrinos de alta intensidade. Estudaram as reacções produzidas quando esse feixe atingiu outras matérias. Foi-lhe atribuído em 1988 o prémio Nobel da Física conjuntamente com Leon M. Lederman e Jack Steinberger.

Nesta semana que passou ficámos a saber que a Arábia Saudita atribuiu a cidadania a um robô. Foi a primeira vez que tal aconteceu. O robô, conhecido como Sophia, apareceu no palco sem um abaya, uma cobertura de cabeça e uma capa que normalmente exigida às mulheres pelo governo saudita. “Estou muito honrada e orgulhosa por esta distinção única”, disse o robô no palco. “Este é histórico para ser o primeiro robô do mundo a ser reconhecido com uma cidadania”.

Também esta semana, o telescópio espacial NuSTAR da NASA e uma câmara rápida chamada ULTRACAM no Observatório William Herschel em La Palma, na Espanha, foram usados por cientistas para conseguir medir a distância que as partículas dos jactos viajam antes de se “ligarem” e tornarem-se fontes brilhantes de luz. Os buracos negros são famosos por serem comedores vorazes, mas eles não comem tudo o que cai na sua direcção. Uma pequena porção de material é recuperada em potentes jactos de gás quente, chamados de plasma, que podem causar estragos à sua volta. Ao longo do caminho, este plasma de alguma forma fica energizado o suficiente para irradiar fortemente a luz, formando duas colunas brilhantes ao longo do eixo de rotação do buraco negro.

Foi publicado um estudo esta semana que afirma que poderá haver mais planetas habitáveis do que pensávamos. Uma análise dos dados do telescópio espacial Kepler revelou 20 mundos promissores que podem ser capazes de hospedar vida. A lista de mundos potenciais inclui vários planetas que orbitam estrelas com características idênticas ao nosso Sol. Alguns tomam um tempo relativamente longo para completar uma única órbita, com o maior a demorar 395 dias da Terra e outros a demorarem semanas ou meses da Terra. A órbita mais rápida é 18 dias terrestres. Isto é muito diferente dos “anos” muito curtos que vemos em torno de estrelas menores com planetas habitáveis como Proxima Centauri.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversos projetos de maker assim como um modelo 3D que poderá ser útil. É apresentada também a revista newelectronics de 24 de Outubro de 2017.

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.