Newsletter Nº129

Newsletter Nº129
Newsletter Nº129

Faz hoje anos que nascia, em 1862, Auguste Lumière. Nascido em Besançon na França este inventor juntamente com o seu irmão Louis foram os primeiros cineastas da história. Eles patentearam um cinematógrafo melhorado, que em contraste com o kinetoscope de “Peepshow” de Thomas Edison permitia a exibição simultânea para várias pessoas.

Faz também anos hoje que nascia, em 1872, Jacques E. Brandenberger. Este químico suíço ficou conhecido na história por ter inventado o papel celofane.

Faz igualmente anos hoje que nascia, em 1909, Marguerite Perey. É atribuída a esta química francesa a descoberta do último elemento químico descoberto na natureza antes de ser sintetizado – o frâncio. Trabalhando como assistente de Marie Curie, Perey concentrou-se no actínio por muitos anos porque foi considerada uma possível fonte de franco por enfraquecimento. No entanto, a purificação necessária de actínio e concentração exigiu dezenas de procedimentos difíceis e cuidadosos. Depois de enviar uma tese sobre seu trabalho no elemento 87, em 1946, ela obteve um diploma de doutorado em física.

Por fim, faz anos hoje que nascia, em 1910, Subrahmanyan Chandrasekhar. Este astrónomo e astrofísico norte-americano de origem indiana ficou conhecido por ser um dos primeiros cientistas a combinar as disciplinas da física e da astronomia. Foi ele conjuntamente com William A.Fowler que formularam a teoria actualmente aceita nos estágios evolutivos posteriores de estrelas massivas (o que levou à descoberta de buracos negros e estrelas de neutrões). Esta mereceu o prémio Nobel da física em 1983. No início de sua carreira, ele demonstrou que há um limite superior, agora chamado de limite Chandrasekhar, para a massa de uma estrela anã branca. (Uma anã branca é a última etapa da evolução de uma estrela como o Sol, que termina com o colapso quando a fonte de energia nuclear no seu centro se esgotou). Além disso, mostra que as estrelas muito mais massivas do que o Sol devem ser explodir ou formar buracos negros.

Na semana que passou ficámos a saber que a primeira fábrica de emissões negativas de dióxido de carbono começou a operar. Produzimos 40 mil milhões de kg de dióxido de carbono a cada ano, e estamos no caminho para ultrapassar um limiar de emissões crucial que causará aumento de temperatura global para passar o perigoso limite de 2°C estabelecido pelo acordo climático de Paris. Mas os cientistas do clima já estão a falar sobre uma tecnologia que poderia nos afastar do abismo. É chamado de captura de ar directo, e consiste em máquinas que funcionam como uma árvore, sugando dióxido de carbono (CO2) para fora do ar, mas em esteróides – capturando milhares de vezes mais carbono na mesma quantidade de tempo contribuindo para nos afastarmos da catástrofe climática. A 11 de Outubro, numa fábrica de energia geotérmica na Islândia, foi inaugurado o primeiro sistema que faz a captura directa de ar e atinge de forma verificada emissões negativas de carbono. Embora ainda esteja numa escala piloto – capturar apenas 50 toneladas métricas de CO2 do ar a cada ano – o mesmo emitido por uma única casa dos EUA ou 10 famílias indianas – é o primeiro sistema a converter as emissões em pedra, garantindo assim que não irão fugir para a atmosfera nos próximos milhões de anos.

Também esta semana a Western Digital apresentou a próxima geração de tecnologia que irá assegurar a preservação e o acesso ao armazenamento necessário para tecnologias como o Big Data. Esta assenta numa inovação revolucionária para a produção de unidades de disco rígido de alta capacidade (HDDs) para atender às futuras necessidades do Big Data com confiabilidade comprovada de nível de data center. O evento, realizado na sede da empresa em Silicon Valey, incluiu uma demonstração do primeiro HDD de gravação magnética assistida por microondas (MAMR). O inventor da tecnologia MAMR, o professor Jimmy Zhu da Universidade Carnegie Mellon esteve presente no evento. A empresa também apresentou avanços na tecnologia de micro atuação e cabeça de gravação Damascene. A Western Digital espera começar a usar HDDs MAMR de alta capacidade em 2019 para uso em centros de dados que suportam aplicações Big Data.

Esta semana também, uma equipa de astrónomos, detectou a colisão de duas estrelas de neutrões usando ondas gravitacionais e luz. A descoberta inaugura uma nova era emocionante em astronomia – astronomia com ondas gravitacionais – menos de dois anos após a primeira detecção de ondas gravitacionais abrir uma nova janela no universo.

Por fim, foi lançada hoje mais uma versão do sistema Ubuntu – 17.10 – “Artful Aardvark”. A Canonical anunciou hoje o lançamento deste novo sistema com um novo sistema de gestão de janelas GNOME com Wayland e novas versões do KDE, MATE e Budgie para responder a uma ampla gama de gostos. Na cloud, esta versão traz o Kubernetes 1.8 para operações de contentores hiper-elásticos e imagens de base mínimas para contentores. Este é o 27º lançamento do Ubuntu, o Linux mais utilizado no mundo, e constitui a linha de base para os recursos no próximo lançamento de classe empresarial de suporte a longo prazo em Abril de 2018.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversos projetos de maker assim como um modelo 3D que poderá ser útil. São apresentados os livros “An Introduction To Statistical Learning With Applications In R” e “Linux Appliance Design”.

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.