Newsletter Nº138

Newsletter Nº138
Newsletter Nº138

Faz hoje anos que nascia, em 1803, Joseph Whitworth. Este engenheiro mecânico inglês, foi pioneiro na medição de precisão. Ele possuía muitas patentes para ferramentas mecânicas, máquinas têxteis e de tricô e máquinas de limpeza rodoviária. Ele criou uma técnica de raspagem para fazer uma superfície verdadeiramente plana. Ele defendeu o uso do sistema decimal. Em 1841, os seus fios de parafuso padrão foram adoptados pelo Woolwich Arsenal. Em 1851, as ferramentas mecânicas da Whitworth eram conhecidas internacionalmente pela sua precisão e qualidade, bem como pelos seus tornos de corte de parafusos, as suas máquinas de planear, perfurar, encaixar e moldar e sua máquina de medição de milionésima parte. Ele também fez um trabalho pioneiro em artilharia, criando um método para moldar aço dúctil para substituir o aço rígido, que está sujeito a fractura.

Faz também anos hoje que nascia, em 1805, Thomas Graham. Este químico e físico escocês é frequentemente chamado de “o pai da química coloidal”. Ele estudou a difusão de gases e em 1833 propôs a Lei Graham, que afirmou que a taxa de difusão de um gás é inversamente proporcional à raiz quadrada do peso da sua molécula. Mais tarde, ele estendeu esse trabalho para a difusão de um líquido para outro. Ele classificou solutos em cristalóides (como sal ou açúcar) e colóides (como a goma arábica e as suspensões de ouro finamente divididas de seu colega, Michael Faraday), que marcou o início da química colóide. Ele desenvolveu diálise para separar soluções coloidais de electrólitos. Esta técnica de diálise agora é importante na medicina. Ele também inventou um pêndulo compensado usando uma bolha com um reservatório de mercúrio.

Faz igualmente hoje anos que nascia, em 1841, Victor Schumann. Este físico e espectros-copista alemão, descobriu o ultravioleta de vácuo. Schumann desejava estudar a região “Extreme Ultraviolet”. Para isso, ele usou um prisma e lentes em fluorite em vez de quartzo permitindo-se ser o primeiro a medir espectros abaixo de 200 nm. O oxigénio absorveria a radiação com um comprimento de onda inferior a 195 nm, mas Schumann colocou todo o aparelho sob vácuo. Ele preparou suas próprias placas fotográficas com uma camada reduzida de gelatina. Ele publicou na linha de hidrogénio no espectro de Nova Aurigae e no espectro de tubos de vácuo. O seu trabalho abriu o caminho para a espectroscopia de emissão atómica, levando eventualmente à descoberta da série de linhas de espectro de hidrogénio (séries de Lyman) de Theodore Lyman em 1914.

Faz também anos hoje que nascia, em 1878, Jan Łukasiewicz. Este lógico e filósofo polaco nascido em Lwów ficou conhecido pelo seu trabalho na lógica filosófica, na lógica matemática e na história da lógica. Ele pensou de forma inovadora sobre a lógica proposicional tradicional, o princípio da não contradição e a lei do meio excluído. O trabalho moderno sobre a lógica de Aristóteles baseia-se na tradição iniciada em 1951 com o estabelecimento por Łukasiewicz de um paradigma revolucionário. A abordagem Łukasiewicz foi revigorada no início da década de 1970 numa série de trabalhos de John Corcoran e Timothy Smiley – que informam as traduções modernas de Prior Analytics por Robin Smith em 1989 e Gisela Striker em 2009. Łukasiewicz é considerado um dos mais importantes historiadores da lógica.

Por fim, faz anos hoje que nascia, em 1904, Francis Thomas Bacon. Este engenheiro mecânico inglês foi pioneiro nas primeiras células de combustível de hidrogénio-oxigénio modernas, que eletroquimicamente convertem ar e combustível directamente em electricidade. O princípio foi observado por Sir William Grove (1842) quando ele forneceu oxigénio e hidrogénio para eléctrodos de platina imersos em ácido sulfúrico e uma corrente foi produzida num circuito externo. Permaneceu uma curiosidade até Bacon ter iniciado uma pesquisa séria no início da década de 1940 para aplicação em submarinos. Em 1959, ele desenvolveu uma célula de combustível bem sucedida de seis quilowatts. Quando as células de combustível foram usadas por veículos espaciais Apollo dos EUA, forneciam energia em voo e água potável, o subproduto da reacção electroquímica.

Esta semana ficámos a saber que o X Lab da Alphabet, de acordo com um relatório da Reuters, preparou mais um outra forma de conectividade com a Internet. Os esforços anteriores envolveram balões flutuantes de Internet e colocando muitos cabos de fibra óptica, mas este sistema de entrega de Internet envia dados sobre feixes de laser! Este não é um sistema experimental como Project Loon; O governo do estado da Índia, Andhra Pradesh, assinou um acordo com a Alphabet para levar a tecnologia a milhões de pessoas a partir do próximo ano. A tecnologia é chamada de “comunicação óptica de espaço livre”, e funciona exactamente da maneira como ela soa: aponta-se dois feixes de luz um para o outro e comunica-se através de piscar. “Espaço livre” significa que não se está a usar nenhum cabo e está apenas se comunicando através do ar ao longo da linha de visão. Normalmente isso é feito com laseres, embora para distâncias mais curtas seja possível usar LEDs.

Há muitos robôs que procuram humanóides, mas muito poucos realmente possuem corpos particularmente análogos aos nossos quando se trata de mover e interagir com o meio ambiente. Pesquisadores japoneses estão trabalhando para ultrapassar essa limitação com um robô projectado especificamente para imitar não apenas os movimentos humanos, mas a maneira como os humanos realmente realizam esses movimentos, até suando. Kengoro é um novo robô que enfatiza a flexibilidade e a verdadeira estrutura humanóide ao invés de colocar o poder ou a eficiência acima de tudo.

Na Newsletter desta semana apresentamos diversos projetos de maker. São apresentados igualmente as revistas MagPI nº 65, a newselectronics de 12 de Dezembro e a Hackspace Nº2.

Aproveitamos para desejar votos de boas festas a todos!

Esta Newsletter encontra-se mais uma vez disponível no sistema documenta do altLab. Todas as Newsletters encontram-se indexadas no link.