Newsletter Nº140

Newsletter Nº140
News­let­ter Nº140

Faz hoje anos que nas­cia, em 1737, Louis-Ber­nard Guy­ton de Moré­ve­au. Este Quí­mi­co fran­cês cola­bo­rou com Antoi­ne Lavoi­si­er e outros para esta­be­le­cer uma nomen­cla­tu­ra quí­mi­ca sis­te­má­ti­ca, aju­dan­do a dis­tin­guir ele­men­tos de com­pos­tos. Ele publi­cou estu­dos sobre flo­gis­to e cris­ta­li­za­ção, e tam­bém gás amó­nia liqui­di­fi­ca­do. Ele escre­veu a sec­ção quí­mi­ca da Ency­clo­pé­die métho­di­que (Vol. I, 1786). Em 1761, Guy­ton propôs que o nome “alu­mi­na” (daí alu­mí­nio) fos­se usa­do para a base em alú­men (sul­fa­to de alu­mí­nio e potás­sio, ale­nis­mo lati­no = alum). Guy­ton foi um dos pri­mei­ros a con­cluir que o fer­ro e o aço dife­rem uni­ca­men­te do seu con­teú­do de car­bo­no, melho­rou o fabri­co de pól­vo­ra, foi o pri­mei­ro a usar clo­ro e gás áci­do clo­rí­dri­co como desin­fec­tan­tes e foi um dos pri­mei­ros balo­o­nis­tas (1784).

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1809, Louis Brail­le. Este edu­ca­dor fran­cês desen­vol­veu uma for­ma tác­til de impres­são e escri­ta, conhe­ci­da como brail­le, que des­de então foi ampla­men­te adop­ta­da pelos cegos. Ele pró­prio ficou cego aos qua­tro anos, depois de um aci­den­te enquan­to toca­va com um taco. Em 1821, enquan­to Brail­le esta­va numa esco­la para cegos, um sol­da­do cha­ma­do Char­les Bar­bi­er visi­tou-o e mos­trou um sis­te­ma de códi­go que ele havia inven­ta­do. O sis­te­ma, cha­ma­do de “escri­ta noc­tur­na”, tinha sido cri­a­do para os sol­da­dos a par­tir das trin­chei­ras de guer­ra pode­rem pas­sar silen­ci­o­sa­men­te ins­tru­ções usan­do com­bi­na­ções de doze pon­tos levan­ta­dos. O jovem Brail­le per­ce­beu o quão útil seria este sis­te­ma de pon­tos levan­ta­dos. Ele desen­vol­veu um esque­ma mais sim­ples usan­do ape­nas seis pon­tos. Em 1827, o pri­mei­ro livro em brail­le foi publi­ca­do. Ago­ra, os cegos tam­bém podem escre­ver para si mes­mos usan­do uma cane­ta sim­ples para fazer os pon­tos.

Faz igual­men­te anos hoje que nas­cia, em 1846, Edward Hib­berd John­son. Este enge­nhei­ro elec­tro­téc­ni­co e inven­tor Nor­te-ame­ri­ca­no pas­sou mui­tos anos a tra­ba­lhar em vári­os pro­je­tos de negó­ci­os com Tho­mas Edi­son, inclu­si­ve como vice-pre­si­den­te da Edi­son Elec­tric Light Com­pany. Eles conhe­ce­ram-se quan­do John­son, como geren­te da Auto­ma­tic Tele­graph Com­pany, con­tra­tou Tho­mas Edi­son, na altu­ra com 24 anos. Como o talen­to de Edi­son como inven­tor o impul­si­o­nou a desen­vol­ver seu labo­ra­tó­rio de inven­ção e empre­sas comer­ci­ais, John­son tor­nou-se o seu exe­cu­ti­vo de negó­ci­os e, even­tu­al­men­te, pre­si­den­te da Edi­son Elec­tric Illu­mi­na­ting Co. de Nova York. John­son ficou conhe­ci­do por ter cri­a­do as pri­mei­ras luzes eléc­tri­cas numa árvo­re de Natal em 22 de Dezem­bro de 1882, que ele as exi­biu na jane­la de sua casa em Nova York. O fio de lâm­pa­das fei­tas à mão tinha sido fei­to para ele, com 80 lâm­pa­das do tama­nho de uma noz bri­lhan­do em núme­ros iguais de luz ver­me­lha, bran­ca e azul.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1940, Bri­an Joseph­son. Este físi­co Galês des­co­briu o efei­to Joseph­son (1962) — um flu­xo de cor­ren­te eléc­tri­ca como pares de elec­trões, cha­ma­do Coo­per Pairs, entre dois mate­ri­ais super-con­du­to­res que são sepa­ra­dos por um iso­la­dor extre­ma­men­te fino. Este arran­jo é cha­ma­do de “Joseph­son Junc­ti­on”. Foi-lhe atri­buí­do o Pré­mio Nobel de Físi­ca de 1973 (com Leo Esa­ki e Ivar Gia­e­ver).

Na sema­na que pas­sou ficá­mos a saber que gran­de par­te dos pro­ces­sa­do­res moder­nos da Intel, AMD e ARM sofrem de uma falha no seu dese­nho que, não poden­do ser cor­ri­gi­da exclu­si­va­men­te por um “pat­ch” no micro-códi­go, irá obri­gar ao rede­se­nho dos Ker­nels Linux e do Win­dows para impe­dir a uti­li­za­ção des­te bug de segu­ran­ça. Des­de Novem­bro — momen­to em que um gru­po res­tri­to de inves­ti­ga­do­res des­co­briu o pro­ble­ma que estão a tra­ba­lhar nos meca­nis­mos de miti­ga­ção do mes­mo. O pro­ble­ma resi­de na pos­si­bi­li­da­de de uma apli­ca­ção mali­ci­o­sa exe­cu­ta­da em “user-spa­ce” poder ler a memó­ria supos­ta­men­te pro­te­gi­da do Ker­nel assim como, em ambi­en­tes de vir­tu­a­li­za­ção (onde se supõe haver uma “sand­box” entre as vári­as máqui­nas vir­tu­ais), poder ler a memó­ria do hiper­vi­sor e de outras máqui­nas vir­tu­ais. Para resol­ver o pro­ble­ma, serão neces­sá­ri­as actu­a­li­za­ções para o Ker­nel e para o micro-códi­go do pro­ces­sa­dor.
O pro­ble­ma des­de que foi anun­ci­a­do já esca­lou e actu­al­men­te não tem um mas dois nomes códi­go dis­tin­tos que são o Melt­down e o Spec­tre. O Melt­down é o pro­ble­ma exclu­si­vo dos pro­ces­sa­do­res Intel. O Spec­tre é o pro­ble­ma que se esten­de a todos os fabri­can­tes. A exis­tên­cia des­tes bugs tem a ver com a for­ma como os pro­ces­sa­do­res actu­ais lidam com a ele­va­da per­for­man­ce e com uma téc­ni­ca usa­da, desig­na­da por exe­cu­ção espe­cu­la­ti­va que se tra­duz numa téc­ni­ca de opti­mi­za­ção da capa­ci­da­de de exe­cu­ção do pro­ces­sa­dor. Infe­liz­men­te esta téc­ni­ca não entra em linha de con­ta com os domí­nio de pro­tec­ção e pode per­mi­tir aces­sos inde­vi­dos.
A reso­lu­ção des­te pro­ble­ma ao nível dos Ker­nels dos sis­te­mas ope­ra­ti­vos irá pro­va­vel­men­te impli­car uma redu­ção de per­for­man­ce que pode­rá che­gar aos 30% em algum tipo de “Wor­klo­ads”.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker assim como um mode­lo 3D. São apre­sen­ta­dos cin­co livros sobre Linux, um sobre Admi­nis­tra­ção, outro sobre Ser­vi­do­res, outro sobre Redes, outros sobre “Sto­ra­ge” e por fim um sobre Segu­ran­ça.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº139

Newsletter Nº139
News­let­ter Nº139

Faz hoje anos que nas­cia, em 1873, Wil­li­am Dra­per Har­kins. Este quí­mi­co nucle­ar nor­te-ame­ri­ca­no que foi um dos pri­mei­ros a inves­ti­gar a estru­tu­ra e as rea­ções de fusão do núcleo. Em 1920, Har­kins pre­viu a exis­tên­cia do neu­trão, pos­te­ri­or­men­te des­co­ber­to pela expe­ri­ên­cia de Edwin Chadwick. Ele fez estu­dos pio­nei­ros de reac­ções nucle­a­res com câma­ras de nuvens de Wil­son. No iní­cio da déca­da de 1930, (com M.D. Kamen) cons­truiu um ciclo­trão. Har­kins demons­trou que, nas reac­ções de bom­bar­de­a­men­to de neu­trões, o pri­mei­ro pas­so na cap­tu­ra de neu­trões é a for­ma­ção de um “núcleo exci­ta­do” de vida útil men­su­rá­vel, que pos­te­ri­or­men­te se divi­de em frag­men­tos. Ele tam­bém suge­riu que a ener­gia suba­tó­mi­ca pode­ria for­ne­cer ener­gia sufi­ci­en­te para ali­men­tar o Sol ao lon­go da sua vida.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1903, John von Neu­mann. Este Mate­má­ti­co hún­ga­ro-ame­ri­ca­no que fez impor­tan­tes con­tri­bui­ções em físi­ca quân­ti­ca, lógi­ca, mete­o­ro­lo­gia e infor­má­ti­ca. Ele inven­tou a teo­ria dos jogos, o ramo da mate­má­ti­ca que ana­li­sa a estra­té­gia e ago­ra é ampla­men­te empre­ga­do para fins mili­ta­res e eco­nó­mi­cos. Duran­te a Segun­da Guer­ra Mun­di­al, ele estu­dou o méto­do de implo­são para levar o com­bus­tí­vel nucle­ar à explo­são e ele par­ti­ci­pou do desen­vol­vi­men­to da bom­ba de hidro­gé­nio. Ele tam­bém esta­be­le­ceu a teo­ria quân­ti­ca em uma base mate­má­ti­ca rigo­ro­sa. Na teo­ria do com­pu­ta­dor, von Neu­mann fez gran­de par­te do tra­ba­lho pio­nei­ro no design lógi­co, no pro­ble­ma de obter res­pos­tas con­fiá­veis de uma máqui­na com com­po­nen­tes não con­fiá­veis, a fun­ção de “memó­ria” e a imi­ta­ção de máqui­na de “ale­a­to­ri­e­da­de”.

Faz igual­men­te hoje anos que nas­cia, em 1929, Maar­ten Sch­midt. Este Astró­no­mo ame­ri­ca­no nas­ci­do na Holan­da des­co­briu os qua­sa­res (objec­tos qua­se este­la­res). O espec­tro de hidro­gé­nio des­ses obje­tos este­la­res mos­tra um enor­me des­vio para o ver­me­lho, o que indi­ca que eles estão mais dis­tan­tes do que as estre­las nor­mais, via­jan­do a uma velo­ci­da­de mai­or e estão entre os mais anti­gos objec­tos obser­va­dos. Por sua vez, isso indi­ca que eles exis­ti­am somen­te quan­do o uni­ver­so era mui­to jovem e for­ne­ce evi­dên­ci­as con­tra a teo­ria do esta­do esta­ci­o­ná­rio de Fred Hoy­le. Sch­midt con­ti­nua o seu tra­ba­lho ten­tan­do encon­trar o des­vio para o ver­me­lho aci­ma do qual não há qua­sa­res, e ele tam­bém estu­da fon­tes de rai­os-x e rai­os gama.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1944, Kary Mul­lis. Este bioquí­mi­co nor­te-ame­ri­ca­no inven­tou a reac­ção em cadeia da poli­me­ra­se (PCR) em 1983, inven­to pelo qual par­ti­lhou (com Micha­el Smith) o Pré­mio Nobel de Quí­mi­ca de 1993. A téc­ni­ca de PCR é sim­ples, e den­tro de algu­mas horas pode fazer biliões de cópi­as de uma fita espe­cí­fi­ca de ADN. É uma aju­da pode­ro­sa no diag­nós­ti­co médi­co de uma infec­ção bac­te­ri­a­na ou viral, capaz de usar uma amos­tra mui­to peque­na de mate­ri­al gené­ti­co para iden­ti­fi­car o agen­te cau­sa­dor. O PCR é vali­o­so na gené­ti­ca e na ciên­cia foren­se. Com o seu uso, os dis­túr­bi­os gené­ti­cos podem ser iden­ti­fi­ca­dos a par­tir de amos­tras de ADN. Usan­do minús­cu­los ves­tí­gi­os de teci­do, a PCR pode pro­du­zir ADN sufi­ci­en­te para iden­ti­fi­car pais e paren­tes da famí­lia, sus­pei­tos de cri­me, cadá­ve­res, res­tos fós­seis antro­po­ló­gi­cos ou anti­gos. O PCR tam­bém é uma fer­ra­men­ta bási­ca no sequen­ci­a­men­to de genes.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1969, Linus Tor­valds. Este cien­tis­ta infor­má­ti­co fin­lan­dês ficou conhe­ci­do por ter cri­a­do e pro­mo­vi­do o sis­te­ma ope­ra­ti­vo Linux. Enquan­to estu­dan­te de infor­má­ti­ca, ele cri­ou seu pró­prio sis­te­ma ope­ra­ti­vo UNIX no seu pró­prio com­pu­ta­dor pes­so­al por­que ele esta­va insa­tis­fei­to com a for­ma como o Micro­soft MS-DOS fun­ci­o­na­va. Em 1991, ele tinha desen­vol­vi­do o sufi­ci­en­te para par­ti­lhar o sis­te­ma com o códi­go-fon­te com outros pro­gra­ma­do­res de soft­ware, para usa­rem gra­tui­ta­men­te e aju­da­rem em melho­ri­as ao mes­mo. Este é o mode­lo open-sour­ce do desen­vol­vi­men­to de soft­ware. O Linux, sen­do livre de usar, é actu­al­men­te o sis­te­ma ope­ra­ti­vo de esco­lha para mui­tos ser­vi­do­res, sites na Inter­net, dis­po­si­ti­vos móveis e embe­bi­dos.

Esta sema­na ficá­mos a saber que a Chi­na está a cons­truir a pri­mei­ra auto-estra­da com pai­néis sola­res embu­ti­dos. A Jinan South Ring Expres­sway tor­nar-se-á a pri­mei­ra auto-estra­da do mun­do onde se rea­li­za R&D de colo­ca­ção foto-vol­tai­ca. A elec­tri­ci­da­de gera­da a par­tir de pavi­men­to foto­vol­tai­co está liga­da a bate­ri­as. No futu­ro, tam­bém pode ser pos­sí­vel car­re­gar e mover veí­cu­los para que o pavi­men­to foto­vol­tai­co se tor­ne o “flu­xo de ener­gia eléc­tri­ca do veí­cu­lo”. Em Dezem­bro pas­sa­do, a empre­sa fran­ce­sa de cons­tru­ção Colas, imple­men­tou pela pri­mei­ra vez uma estra­da foto-vol­tai­ca de 1 qui­ló­me­tro na estra­da secun­dá­ria da cida­de fran­ce­sa de Tou­rou­vre au Per­che, na Nor­man­dia, e deve­rá for­ne­cer a ilu­mi­na­ção públi­ca da cida­de com 3.400 habi­tan­tes.

Ficá­mos tam­bém a saber que esta quin­ta-fei­ra pas­sa­rá mui­to pró­xi­mo da Ter­ra o aste­rói­de 2017 YZ4. Estan­do a via­jar a velo­ci­da­des per­to de 34.000 km/h este aste­rói­de tem a dimen­são de um auto­car­ro de dois anda­res e cau­sa­ria danos con­si­de­rá­veis se atin­gis­se o pla­ne­ta. Come­çou a ser obser­va­do no pas­sa­do dia de Nata e pas­sa­rá entre a Ter­ra e a Lua nes­ta quin­ta-fei­ra, 28 de Dezem­bro. A dis­tân­cia será na região de 225.000 Km — per­to o sufi­ci­en­te para ser con­si­de­ra­do dema­si­a­do per­to pelos astró­no­mos. O aste­rói­de foi detec­ta­do pela pri­mei­ra vez no Mount Lem­mon Sur­vey Obser­va­tory no Ari­zo­na e será o 52º que pas­sa­rá entre a Ter­ra e a Lua este ano.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker assim como um mode­lo 3D. É apre­sen­ta­do o livro “The Rasp­ber­ry Pi Annu­al 2018”.

Apro­vei­ta­mos para dese­jar a todos um exce­len­te ano de 2018.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº138

Newsletter Nº138
News­let­ter Nº138

Faz hoje anos que nas­cia, em 1803, Joseph Whitworth. Este enge­nhei­ro mecâ­ni­co inglês, foi pio­nei­ro na medi­ção de pre­ci­são. Ele pos­suía mui­tas paten­tes para fer­ra­men­tas mecâ­ni­cas, máqui­nas têx­teis e de tricô e máqui­nas de lim­pe­za rodo­viá­ria. Ele cri­ou uma téc­ni­ca de ras­pa­gem para fazer uma super­fí­cie ver­da­dei­ra­men­te pla­na. Ele defen­deu o uso do sis­te­ma deci­mal. Em 1841, os seus fios de para­fu­so padrão foram adop­ta­dos pelo Woolwi­ch Arse­nal. Em 1851, as fer­ra­men­tas mecâ­ni­cas da Whitworth eram conhe­ci­das inter­na­ci­o­nal­men­te pela sua pre­ci­são e qua­li­da­de, bem como pelos seus tor­nos de cor­te de para­fu­sos, as suas máqui­nas de pla­ne­ar, per­fu­rar, encai­xar e mol­dar e sua máqui­na de medi­ção de mili­o­né­si­ma par­te. Ele tam­bém fez um tra­ba­lho pio­nei­ro em arti­lha­ria, cri­an­do um méto­do para mol­dar aço dúc­til para subs­ti­tuir o aço rígi­do, que está sujei­to a frac­tu­ra.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1805, Tho­mas Graham. Este quí­mi­co e físi­co esco­cês é fre­quen­te­men­te cha­ma­do de “o pai da quí­mi­ca coloi­dal”. Ele estu­dou a difu­são de gases e em 1833 propôs a Lei Graham, que afir­mou que a taxa de difu­são de um gás é inver­sa­men­te pro­por­ci­o­nal à raiz qua­dra­da do peso da sua molé­cu­la. Mais tar­de, ele esten­deu esse tra­ba­lho para a difu­são de um líqui­do para outro. Ele clas­si­fi­cou solu­tos em cris­ta­lói­des (como sal ou açú­car) e colói­des (como a goma ará­bi­ca e as sus­pen­sões de ouro fina­men­te divi­di­das de seu cole­ga, Micha­el Fara­day), que mar­cou o iní­cio da quí­mi­ca colói­de. Ele desen­vol­veu diá­li­se para sepa­rar solu­ções coloi­dais de elec­tró­li­tos. Esta téc­ni­ca de diá­li­se ago­ra é impor­tan­te na medi­ci­na. Ele tam­bém inven­tou um pên­du­lo com­pen­sa­do usan­do uma bolha com um reser­va­tó­rio de mer­cú­rio.

Faz igual­men­te hoje anos que nas­cia, em 1841, Vic­tor Schu­mann. Este físi­co e espec­tros-copis­ta ale­mão, des­co­briu o ultra­vi­o­le­ta de vácuo. Schu­mann dese­ja­va estu­dar a região “Extre­me Ultra­vi­o­let”. Para isso, ele usou um pris­ma e len­tes em flu­o­ri­te em vez de quart­zo per­mi­tin­do-se ser o pri­mei­ro a medir espec­tros abai­xo de 200 nm. O oxi­gé­nio absor­ve­ria a radi­a­ção com um com­pri­men­to de onda infe­ri­or a 195 nm, mas Schu­mann colo­cou todo o apa­re­lho sob vácuo. Ele pre­pa­rou suas pró­pri­as pla­cas foto­grá­fi­cas com uma cama­da redu­zi­da de gela­ti­na. Ele publi­cou na linha de hidro­gé­nio no espec­tro de Nova Auri­gae e no espec­tro de tubos de vácuo. O seu tra­ba­lho abriu o cami­nho para a espec­tros­co­pia de emis­são ató­mi­ca, levan­do even­tu­al­men­te à des­co­ber­ta da série de linhas de espec­tro de hidro­gé­nio (séri­es de Lyman) de The­o­do­re Lyman em 1914.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1878, Jan Łuka­si­ewicz. Este lógi­co e filó­so­fo pola­co nas­ci­do em Lwów ficou conhe­ci­do pelo seu tra­ba­lho na lógi­ca filo­só­fi­ca, na lógi­ca mate­má­ti­ca e na his­tó­ria da lógi­ca. Ele pen­sou de for­ma ino­va­do­ra sobre a lógi­ca pro­po­si­ci­o­nal tra­di­ci­o­nal, o prin­cí­pio da não con­tra­di­ção e a lei do meio excluí­do. O tra­ba­lho moder­no sobre a lógi­ca de Aris­tó­te­les baseia-se na tra­di­ção ini­ci­a­da em 1951 com o esta­be­le­ci­men­to por Łuka­si­ewicz de um para­dig­ma revo­lu­ci­o­ná­rio. A abor­da­gem Łuka­si­ewicz foi revi­go­ra­da no iní­cio da déca­da de 1970 numa série de tra­ba­lhos de John Cor­co­ran e Timothy Smi­ley — que infor­mam as tra­du­ções moder­nas de Pri­or Analy­tics por Robin Smith em 1989 e Gise­la Stri­ker em 2009. Łuka­si­ewicz é con­si­de­ra­do um dos mais impor­tan­tes his­to­ri­a­do­res da lógi­ca.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1904, Fran­cis Tho­mas Bacon. Este enge­nhei­ro mecâ­ni­co inglês foi pio­nei­ro nas pri­mei­ras célu­las de com­bus­tí­vel de hidro­gé­nio-oxi­gé­nio moder­nas, que ele­tro­qui­mi­ca­men­te con­ver­tem ar e com­bus­tí­vel direc­ta­men­te em elec­tri­ci­da­de. O prin­cí­pio foi obser­va­do por Sir Wil­li­am Gro­ve (1842) quan­do ele for­ne­ceu oxi­gé­nio e hidro­gé­nio para eléc­tro­dos de pla­ti­na imer­sos em áci­do sul­fú­ri­co e uma cor­ren­te foi pro­du­zi­da num cir­cui­to exter­no. Per­ma­ne­ceu uma curi­o­si­da­de até Bacon ter ini­ci­a­do uma pes­qui­sa séria no iní­cio da déca­da de 1940 para apli­ca­ção em sub­ma­ri­nos. Em 1959, ele desen­vol­veu uma célu­la de com­bus­tí­vel bem suce­di­da de seis qui­lowatts. Quan­do as célu­las de com­bus­tí­vel foram usa­das por veí­cu­los espa­ci­ais Apol­lo dos EUA, for­ne­ci­am ener­gia em voo e água potá­vel, o sub­pro­du­to da reac­ção elec­troquí­mi­ca.

Esta sema­na ficá­mos a saber que o X Lab da Alpha­bet, de acor­do com um rela­tó­rio da Reu­ters, pre­pa­rou mais um outra for­ma de conec­ti­vi­da­de com a Inter­net. Os esfor­ços ante­ri­o­res envol­ve­ram balões flu­tu­an­tes de Inter­net e colo­can­do mui­tos cabos de fibra ópti­ca, mas este sis­te­ma de entre­ga de Inter­net envia dados sobre fei­xes de laser! Este não é um sis­te­ma expe­ri­men­tal como Pro­ject Loon; O gover­no do esta­do da Índia, Andh­ra Pra­desh, assi­nou um acor­do com a Alpha­bet para levar a tec­no­lo­gia a milhões de pes­so­as a par­tir do pró­xi­mo ano. A tec­no­lo­gia é cha­ma­da de “comu­ni­ca­ção ópti­ca de espa­ço livre”, e fun­ci­o­na exac­ta­men­te da manei­ra como ela soa: apon­ta-se dois fei­xes de luz um para o outro e comu­ni­ca-se atra­vés de pis­car. “Espa­ço livre” sig­ni­fi­ca que não se está a usar nenhum cabo e está ape­nas se comu­ni­can­do atra­vés do ar ao lon­go da linha de visão. Nor­mal­men­te isso é fei­to com lase­res, embo­ra para dis­tân­ci­as mais cur­tas seja pos­sí­vel usar LEDs.

Há mui­tos robôs que pro­cu­ram huma­nói­des, mas mui­to pou­cos real­men­te pos­su­em cor­pos par­ti­cu­lar­men­te aná­lo­gos aos nos­sos quan­do se tra­ta de mover e inte­ra­gir com o meio ambi­en­te. Pes­qui­sa­do­res japo­ne­ses estão tra­ba­lhan­do para ultra­pas­sar essa limi­ta­ção com um robô pro­jec­ta­do espe­ci­fi­ca­men­te para imi­tar não ape­nas os movi­men­tos huma­nos, mas a manei­ra como os huma­nos real­men­te rea­li­zam esses movi­men­tos, até suan­do. Ken­go­ro é um novo robô que enfa­ti­za a fle­xi­bi­li­da­de e a ver­da­dei­ra estru­tu­ra huma­nói­de ao invés de colo­car o poder ou a efi­ci­ên­cia aci­ma de tudo.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker. São apre­sen­ta­dos igual­men­te as revis­tas Mag­PI nº 65, a new­se­lec­tro­nics de 12 de Dezem­bro e a Hacks­pa­ce Nº2.

Apro­vei­ta­mos para dese­jar votos de boas fes­tas a todos!

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº137

Newsletter Nº137
News­let­ter Nº137

Faz hoje anos que nas­cia, em 1911, Hans von Ohain. Este enge­nhei­ro aero­náu­ti­co ale­mão ficou conhe­ci­do por ter pro­jec­ta­do o pri­mei­ro motor a jato ope­ra­ci­o­nal. Com ape­nas 22 anos, con­ce­beu a sua teo­ria da pro­pul­são a jac­to, por­que para voar mais rápi­do, os aviões podi­am voar mais alto para a menor resis­tên­cia do ar, mas lá, as héli­ces e os moto­res de pis­tão fun­ci­o­na­vam mal. Ele viu os tur­bo-reac­to­res como uma solu­ção e fez a sua pri­mei­ra paten­te no motor a jato de tur­bi­na a gás em 1935, qua­tro anos depois de Frank Whit­tle. Em Setem­bro de 1937, Ohain tinha um mode­lo de ban­ca­da com hidro­gé­nio pro­du­zin­do um impul­so de 250 km. Ele pro­jec­tou o tur­bo-jac­to HeS3b que ali­men­tou a pri­mei­ra aero­na­ve expe­ri­men­tal, o He178, no seu voo inau­gu­ral his­tó­ri­co, a uma velo­ci­da­de máxi­ma de cer­ca de 560 km/h, a 27 de Agos­to de 1939, per­to de Ros­tock, na Ale­ma­nha. O pri­mei­ro jac­to de Whit­tle voou mais tar­de, em 1941. O seu tra­ba­lho con­ti­nu­a­do no motor de tur­bi­na a gás duran­te a Segun­da Guer­ra Mun­di­al resul­tou no aban­do­no do con­cei­to de flu­xo cen­trí­fu­go e na adop­ção do motor do tipo com­pres­sor de flu­xo axi­al.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1922, Niko­lay Basov. Este físi­co sovié­ti­co, mais conhe­ci­do pelo desen­vol­vi­men­to do maser, o pre­cur­sor do laser. Em 1955, enquan­to tra­ba­lha­va como alu­no de pes­qui­sa com Alek­san­dr Prokho­rov na Aca­de­mia Sovié­ti­ca de Ciên­ci­as, ele cri­ou um ampli­fi­ca­dor de micro­on­das base­a­do em molé­cu­las de amó­nia. Os dois cien­tis­tas par­ti­lha­ram o Pré­mio Nobel em 1964 (com o ame­ri­ca­no Char­les Tow­nes, que desen­vol­veu de for­ma inde­pen­den­te um maser), para pes­qui­sas bási­cas em elec­tró­ni­ca quân­ti­ca que leva­ram ao desen­vol­vi­men­to tan­to do maser como do laser. Estes dis­po­si­ti­vos pro­du­zem fei­xes mono­cro­má­ti­cos, para­le­los e coe­ren­tes de micro­on­das e luz, res­pec­ti­va­men­te. Basov pas­sou a desen­vol­ver o prin­cí­pio do laser e intro­du­ziu a ideia de usar semi­con­du­to­res para atin­gir a acção do laser.

Esta sema­na ficá­mos a saber que uma nova téc­ni­ca que com­bi­na o Gali­leo e outras cons­te­la­ções de sat­nav para entre­gar rapi­da­men­te uma pre­ci­são de posi­ci­o­na­men­to menor do que a mão foi com­pro­va­da usan­do sinais de toda a Ter­ra. Desen­vol­vi­da por uma equi­pa de pes­qui­sa espa­nho­la com a ESA, esta téc­ni­ca de Posi­ci­o­na­men­to Rápi­do de Pon­tos Rápi­dos ou Fast-PPP pode­ria, no futu­ro, for­ne­cer um posi­ci­o­na­men­to pre­ci­so de 10–20 cm mais rapi­da­men­te do que nun­ca para uma gran­de vari­e­da­de de uti­li­za­do­res, de topó­gra­fos a car­ros sem moto­ris­ta.

Ficá­mos tam­bém a saber que a NASA coma aju­da da inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al des­co­briu oito pla­ne­tas a cir­cun­dar uma estre­la dis­tan­te. O nos­so sis­te­ma solar ago­ra está empa­ta­do para a mai­o­ria dos pla­ne­tas em tor­no de uma úni­ca estre­la, com a recen­te des­co­ber­ta de um oita­vo pla­ne­ta que gira em tor­no de Kepler-90, uma estre­la pare­ci­da com o Sol, a 2,545 anos-luz da Ter­ra. O pla­ne­ta foi des­co­ber­to em dados do Kepler Spa­ce Teles­co­pe da NASA. O recém-des­co­ber­to Kepler-90i — um pla­ne­ta quen­te e rocho­so que orbi­ta sua estre­la uma vez a cada 14,4 dias — foi encon­tra­do usan­do o sis­te­ma de “Machi­ne Lear­ning” da Goo­gle. Este sis­te­ma baseia-se numa abor­da­gem da inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al em que os com­pu­ta­do­res “apren­dem”. Nes­te caso, os com­pu­ta­do­res apren­de­ram a iden­ti­fi­car pla­ne­tas ao encon­trar em casos de dados Kepler onde o teles­có­pio regis­tou sinais de pla­ne­tas além do nos­so sis­te­ma solar, conhe­ci­dos como exo-pla­ne­tas.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker. São apre­sen­ta­dos igual­men­te 22 tuto­ri­ais da tuto­ri­al­point sob a for­ma de Ebo­ok sobre diver­sos temas, como C++, Java, Python, SQL, PHP, CSS, HTML, SAS, Boots­trap, Unix, Android, etc.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.

Newsletter Nº136

Newsletter Nº136
News­let­ter Nº136

Faz hoje anos que nas­cia, em 1823, Leo­pold Kro­nec­ker. Este mate­má­ti­co ale­mão tra­ba­lhou para uni­fi­car a arit­mé­ti­ca, a álge­bra e a aná­li­se, com espe­ci­al inte­res­se em fun­ções elíp­ti­cas, equa­ções algé­bri­cas, teo­ria dos núme­ros, teo­ria dos deter­mi­nan­tes e teo­ria das inte­grais sim­ples e múl­ti­plas. No entan­to, os tópi­cos que ele estu­dou foram res­trin­gi­dos pelo fac­to de ele acre­di­tar na redu­ção de todas as mate­má­ti­cas em argu­men­tos envol­ven­do ape­nas os núme­ros intei­ros e um núme­ro fini­to de eta­pas. Ele acre­di­ta­va que a mate­má­ti­ca deve­ria lidar ape­nas com núme­ros fini­tos e com um núme­ro fini­to de ope­ra­ções. Ele foi o pri­mei­ro a duvi­dar do sig­ni­fi­ca­do de pro­vas de exis­tên­cia não cons­tru­ti­vas e acre­di­ta­va que os núme­ros trans­cen­den­tais não exis­ti­am. A fun­ção del­ta Kro­nec­ker é nome­a­da em sua home­na­gem.

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1905, Gerard Kui­per. Este Astró­no­mo ame­ri­ca­no nas­ci­do na Holan­da, des­co­briu Miran­da, uma lua de Ura­no e Nereid, uma lua de Nep­tu­no. O Kui­per Belt é cha­ma­do após a sua suges­tão ori­gi­nal de sua exis­tên­cia fora da órbi­ta de Nep­tu­no antes de ser con­fir­ma­do como um cin­to de peque­nos cor­pos. Ele mediu o diâ­me­tro de Plu­tão. Na atmos­fe­ra mar­ci­a­na, Kui­per detec­tou o dió­xi­do de car­bo­no, mas a ausên­cia de oxi­gé­nio (1947). Na déca­da de 1960, Kui­per foi pio­nei­ro na obser­va­ção infra­ver­me­lha no ar usan­do uma aero­na­ve Con­vair 990 e ser­viu como cien­tis­ta-che­fe para as son­das da nave Ran­ger da Lua. Ao ana­li­sar as foto­gra­fi­as da Ran­ger, ele iden­ti­fi­cou locais de ater­ra­gem na super­fí­cie lunar mais ade­qua­dos para ater­ra­gens segu­ras com tri­pu­la­ção.

Com­ple­tam-se hoje 45 anos que foi lan­ça­da a ulti­ma mis­são Apol­lo — a Appo­lo 17. Com uma equi­pa de três astro­nau­tas com­pos­ta pelo coman­dan­te Euge­ne Ceman, o pilo­to do modu­lo de coman­do Ronald Evans e pelo pilo­to do modu­lo lunar Har­ri­son Sch­mitt foi a ulti­ma a usar o hard­ware Apol­lo para o seu pro­pó­si­to ori­gi­nal. Foi a pri­mei­ra mis­são lan­ça­da duran­te a noi­te e a ulti­ma a ser lan­ça­da pelo fogue­tão Satur­no V. Com uma mis­são de três dias na super­fí­cie da Lua, no vale Taurus–Littrow foram reco­lhi­dos cer­ca de 110 Kg de amos­tras luna­res e usa­dos diver­sos ins­tru­men­tos cien­tí­fi­cos para fazer medi­ções. Foi a ulti­ma vez que foi usa­do o Rover Lunar. A mis­são demo­rou um total 12 dias e cer­ca de 14 horas. O modu­lo de coman­do entrou na atmos­fe­ra ter­res­tre no dia 15 de Dezem­bro.

Faz tam­bém 22 anos que a son­da espa­ci­al Gali­leo che­gou a Jupi­ter. Foi lan­ça­da em 18 de Outu­bro de 1989, trans­por­ta­do pelo Spa­ce Shut­tle Atlan­tis, na mis­são STS-34. Depois de vol­tas de assis­tên­cia gra­vi­ta­ci­o­nal de Vénus e Ter­ra, tor­nou-se a pri­mei­ra nave espa­ci­al a orbi­tar em Júpi­ter. Ela lan­çou a pri­mei­ra son­da em Jupi­ter, medin­do direc­ta­men­te sua atmos­fe­ra. Ape­sar de sofrer gran­des pro­ble­mas de ante­nas, Gali­leu alcan­çou o pri­mei­ro vôo de aste­rói­des, de 951 Gas­pra, e des­co­briu a pri­mei­ra lua de aste­rói­des, Dactyl, por vol­ta de 243 Ida. Em 1994, Gali­leo obser­vou a coli­são do Comet Sho­e­ma­ker-Levy 9 com Jupi­ter.

Esta sema­na ficá­mos a saber que, a Voya­ger 1, que se encon­tra em voo à 40 anos, a NASA vol­tou a ligar com suces­so os pro­pul­so­res após 37 anos des­tes terem esta­do para­dos. A comu­ni­ca­ção com a son­da demo­ra cer­ca de 19 horas e 35 minu­tos a che­gar à ante­na em Golds­to­ne na Cali­fór­nia. Com o suces­so des­te tes­te esti­ma-se que a son­da pos­sa ter mais dois ou três anos de vida. Esti­ma-se que a son­da se encon­tre nes­te momen­to no espa­ço inte­res­te­lar indo a cami­nho de uma estre­la cha­ma­da AC + 79 que se encon­tra a 17,6 anos luz da Ter­ra.

Tam­bem esta sema­na, um gru­po de cien­tis­tas des­co­bri­ram uma relí­quia rara do uni­ver­so: o bura­co negro super-mas­si­vo mais dis­tan­te. Este gigan­te que come maté­ria tem 800 milhões de vezes a mas­sa do nos­so Sol, que é sur­pre­en­den­te­men­te gran­de para a sua ida­de jovem. O bura­co negro recen­te­men­te encon­tra­do é mate­ri­al voraz­men­te devo­ra­dor no cen­tro de uma galá­xia — um fenó­me­no cha­ma­do qua­sar. Este qua­sar é espe­ci­al­men­te inte­res­san­te por­que vem de um momen­to em que o uni­ver­so esta­va ape­nas come­çan­do a emer­gir de sua ida­de das tre­vas. A des­co­ber­ta for­ne­ce­rá infor­ma­ções fun­da­men­tais sobre o uni­ver­so quan­do era ape­nas 5% da ida­de actu­al.

Por fim, a Goo­gle afir­ma que o pro­gra­ma de inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al Alpha­Go Zero triun­fou no xadrez con­tra o soft­ware espe­ci­a­li­za­do mun­di­al em pou­cas horas do ensi­no do jogo a par­tir do zero. A divi­são Deep­Mind da empre­sa diz que jogou 100 jogos con­tra o Stock­fish 8 e ganhou ou empa­tou todos eles. Os espe­ci­a­lis­tas já suge­rem que a con­quis­ta for­ta­le­ce­rá a posi­ção da empre­sa num sec­tor com­pe­ti­ti­vo. “Do pon­to de vis­ta cien­tí­fi­co, é o últi­mo de uma série de des­lum­bran­tes resul­ta­dos que o Deep­Mind pro­du­ziu”, dis­se o pro­fes­sor Micha­el Wool­drid­ge, da Uni­ver­si­da­de de Oxford, à BBC. “A tra­je­tó­ria geral em Deep­Mind pare­ce ser para resol­ver um pro­ble­ma e, em segui­da, demons­trar que ele real­men­te pode ace­le­rar o desem­pe­nho, e isso é mui­to impres­si­o­nan­te.”.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker assim como alguns mode­los 3D que pode­rão ser úteis. É apre­sen­ta­da a revis­ta “The Offi­ci­al Rasp­ber­ry Pi Beginner’s Book”.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.