Newsletter Nº159

Newsletter Nº159
News­let­ter Nº159

Faz hoje anos que nas­cia, em 1749, Edward Jen­ner. Este médi­co e cirur­gião inglês des­co­briu a vaci­na para a varío­la. Exis­tia uma his­tó­ria entre os agri­cul­to­res de que, se uma pes­soa con­traís­se uma doen­ça rela­ti­va­men­te leve e ino­fen­si­va do gado, cha­ma­da de varío­la bovi­na, ganha­ria imu­ni­da­de à varío­la. Em 14 de maio de 1796, ele remo­veu o líqui­do da varío­la bovi­na da lei­tei­ra Sarah Nel­mes e ino­cu­lou James Phipps, um meni­no de oito anos, que logo sofreu de varío­la bovi­na. Seis sema­nas depois, ele ino­cu­lou o meni­no com varío­la. O meni­no per­ma­ne­ceu sau­dá­vel, pro­van­do a teo­ria. Ele cha­mou seu méto­do de vaci­na­ção, usan­do a pala­vra lati­na vac­ca, que sig­ni­fi­ca vaca, e vac­ci­nia, que sig­ni­fi­ca varío­la bovi­na. Jen­ner tam­bém intro­du­ziu a pala­vra vírus.

Faz tam­bém hoje anos que nas­cia, em 1836, Joseph Nor­man Lockyer. Este astró­no­mo inglês des­co­briu, em 1868, e deu nome ao ele­men­to hélio que encon­trou na atmos­fe­ra do Sol antes de ser detec­ta­do na Ter­ra. Ele tam­bém apli­cou o nome cro­mos­fe­ra para a cama­da exter­na do sol. Lockyer des­co­briu, jun­to com Pier­re J. Jans­sen, as pro­e­mi­nên­ci­as (cha­mas ver­me­lhas) que envol­vem o dis­co solar. Ele tam­bém esta­va inte­res­sa­do na clas­si­fi­ca­ção de espec­tros este­la­res e desen­vol­veu a hipó­te­se meteó­ri­ca de evo­lu­ção este­lar. Os seus tra­ba­lhos inclu­em os livros Con­tri­bu­ti­ons to Solar Phy­sics (1873), The Sun’s Pla­ce in Natu­re (1897) e Inor­ga­nic Evo­lu­ti­on (1900).

Faz igual­men­te hoje anos que nas­cia, em 1868, Hora­ce Elgin Dod­ge. Este fabri­can­te de auto­mó­veis ame­ri­ca­no, com seu irmão John Fran­cis Dod­ge, foram fabri­can­tes de auto­mó­veis ame­ri­ca­nos que inven­ta­ram um dos pri­mei­ros car­ros de aço na Amé­ri­ca. Eles cons­truí­ram seu pri­mei­ro car­ro Dod­ge em Novem­bro de 1914 em Detroit, Michi­gan.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1897, Odd Has­sel. Este Físi­co-Quí­mi­co noru­e­guês rece­beu (com Sir Derek H.R. Bar­ton da Grã-Bre­ta­nha) o Pré­mio Nobel da Quí­mi­ca em 1969 pelo seu tra­ba­lho no esta­be­le­ci­men­to de aná­li­ses con­for­ma­ci­o­nais (o estu­do da estru­tu­ra geo­mé­tri­ca tri­di­men­si­o­nal de molé­cu­las). Um anel de seis áto­mos de car­bo­no tem duas con­for­ma­ções — a for­ma de cadei­ra e de bar­co. Estes tro­cam-se facil­men­te — cer­ca de um milhão de vezes por segun­do à tem­pe­ra­tu­ra ambi­en­te. Uma das con­for­ma­ções é, no entan­to, for­te­men­te pre­do­mi­nan­te (cer­ca de 99%). Has­sel rea­li­zou inves­ti­ga­ções fun­da­men­tais sobre esse sis­te­ma e mos­trou como gru­pos pesa­dos ou volu­mo­sos, liga­dos aos áto­mos de car­bo­no, assu­mem as suas posi­ções em rela­ção ao anel e uns aos outros. Este tra­ba­lho é de gran­de impor­tân­cia para pre­ver o modo de reac­ção de uma deter­mi­na­da molé­cu­la.

Hoje come­mo­ra-se o dia da Inter­net. Em Outu­bro de 1969, sepa­ra­dos a uma dis­tân­cia de mais de 500 km, dois com­pu­ta­do­res fize­ram a liga­ção que iria revo­lu­ci­o­nar as comu­ni­ca­ções para sem­pre. Qua­se meio sécu­lo depois mais de meta­de da popu­la­ção mun­di­al já está liga­da à gran­de rede.

A Intel faz 50 anos. Ini­ci­al­men­te, a empre­sa dedi­ca­va-se intei­ra­men­te à pes­qui­sa e desen­vol­vi­men­to, que­ren­do apro­vei­tar ao máxi­mo seu novo come­ço e desen­vol­ver novas tec­no­lo­gi­as, em vez de ape­nas repli­car as anti­gas. Para desen­vol­ver um pro­du­to o mais rápi­do pos­sí­vel, a empre­sa foi bus­car três tec­no­lo­gi­as ao mes­mo tem­po: memó­ria bipo­lar, um pro­du­to que usa­va tec­no­lo­gia esta­be­le­ci­da, mas era difí­cil de desen­vol­ver; memó­ria de semi­con­du­tor de metal-óxi­do da por­ta de silí­cio, que pode­ria revo­lu­ci­o­nar a fabri­ca­ção de chips, mas pre­ci­sa­va ser inven­ta­da pri­mei­ro; e memó­ria mul­ti­chip, em que qua­tro peque­nos chips de memó­ria foram liga­dos para cri­ar um dis­po­si­ti­vo que era volu­mo­so e frá­gil, mas bara­to. Qual­quer que fos­se o dis­po­si­ti­vo que com­pro­vas­se sua via­bi­li­da­de, o mais rápi­do se tor­na­ria o pri­mei­ro pro­du­to da Intel. Em abril de 1969, a Intel lan­çou seu pri­mei­ro pro­du­to: o chip 3101 de memó­ria de aces­so ale­a­tó­rio está­ti­ca.

Na pas­sa­da sex­ta-fei­ra, 11 de maio às 16h14 EDT, a Spa­ceX lan­çou com suces­so o Ban­ga­bandhu Satel­li­te-1 do his­tó­ri­co com­ple­xo de lan­ça­men­to 39A (LC-39A) no Ken­nedy Spa­ce Cen­ter da NASA na Flo­ri­da. Após a sepa­ra­ção da fren­te do fogue­tão, o pri­mei­ro está­gio do Fal­con 9 ater­rou com suces­so na bar­ca­ça “Of Cour­se I Still Love You”, o dro­neship da Spa­ceX esta­ci­o­na­do no Oce­a­no Atlân­ti­co. O Fal­con 9 colo­cou o Ban­ga­bandhu Satel­li­te-1 numa órbi­ta de trans­fe­rên­cia geo-esta­ci­o­ná­ria ten­do o Saté­li­te sido liber­ta­do apro­xi­ma­da­men­te 33 minu­tos após a des­co­la­gem. A mis­são Ban­ga­bandhu Satel­li­te-1 ser­viu como o pri­mei­ro voo do Fal­con 9 Block 5, a ulti­ma actu­a­li­za­ção rele­van­te para o fogue­tão Fal­con 9 da Spa­ceX. O Fal­con 9 Block 5 foi pro­jec­ta­do para ser capaz de 10 ou mais voos com inter­ven­ção mui­to limi­ta­da, uma vez que a Spa­ceX con­ti­nua a pro­cu­ra da reu­ti­li­za­ção rápi­da e segu­ran­ça extre­ma­men­te alta.

E na pas­sa­da ter­ça-fei­ra, o aste­rói­de 2010 WC9 fez um Flyby invul­gar­men­te pró­xi­mo da Ter­ra. Pas­san­do pela Ter­ra a uma dis­tân­cia segu­ra de 203.000 qui­ló­me­tros, ou cer­ca de meta­de da dis­tân­cia entre a Ter­ra e a Lua, o aste­rói­de, que é ofi­ci­al­men­te desig­na­do como WC9 2010, fez a sua apro­xi­ma­ção mais pró­xi­ma às 18h05. EDT (2205 GMT), enquan­to via­ja­va a uma velo­ci­da­de de 46,116 km/h, de acor­do com o Minor Pla­net Cen­ter. Os astró­no­mos esti­mam que o aste­rói­de mede de 38 a 119 metros de diâ­me­tro.

Nes­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker assim como um mode­lo 3D que pode­rá ser útil.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.