Newsletter Nº150

Newsletter Nº150
News­let­ter Nº150

Faz hoje anos que nas­cia, em 1713, Nico­las-Louis de Lacail­le. Este astró­no­mo fran­cês deu nome a 15 das 88 cons­te­la­ções no céu. Ele pas­sou 4 anos a mape­ar as cons­te­la­ções visí­veis do Hemis­fé­rio Sul, como obser­va­do a par­tir do Cabo da Boa Espe­ran­ça, a par­te mais meri­di­o­nal da Áfri­ca. Duran­te os anos que lá este­ve, ele dis­se ter obser­va­do mais de 10.000 estre­las usan­do ape­nas o seu refrac­tor de meia pole­ga­da. Ele esta­be­le­ceu o pri­mei­ro catá­lo­go de estre­las do sul que con­ti­nha 9776 estre­las (Cae­lum Aus­tra­le Stel­li­fe­rum, publi­ca­do em par­te em 1763 e com­ple­ta­men­te em 1847) e um catá­lo­go de 42 nebu­lo­sas em 1755 con­ten­do 33 objec­tos do espa­ço pro­fun­do (26 suas pró­pri­as des­co­ber­tas).

Faz tam­bém anos hoje que nas­cia, em 1855, Char­les Ver­non Boys. Este físi­co inglês foi inven­tor de diver­sos ins­tru­men­tos sen­sí­veis. Os seus estu­dos incluí­ram mine­ra­ção, meta­lur­gia, quí­mi­ca e físi­ca. Ele tam­bém foi auto­di­dac­ta num amplo cam­po de méto­dos geo­mé­tri­cos. Em 1881, ele inven­tou a inte­graph, uma máqui­na para dese­nhar a anti-deri­va­da de uma fun­ção. Boys é conhe­ci­do par­ti­cu­lar­men­te pelo seu livro defi­ni­ti­vo (1890) sobre as bolhas de sabão da físi­ca. Ele empre­gou a tor­ção de fibras de quart­zo para medir for­ças minu­ci­o­sas, repe­tin­do a expe­ri­ên­cia de Henry Caven­dish, para melho­rar a medi­da da cons­tan­te gra­vi­ta­ci­o­nal new­to­ni­a­na. Ele tam­bém inven­tou um calo­rí­me­tro de gra­va­ção auto­má­ti­co melho­ra­do para tes­tar gás de car­vão da cida­de e câma­ras de alta velo­ci­da­de para foto­gra­far objec­tos em movi­men­to rápi­do, como balas e des­car­gas de relâm­pa­go.

Por fim, faz anos hoje que nas­cia, em 1930, Zho­res Alfe­rov. Este físi­co rus­so do cam­po da físi­ca do esta­do sóli­do, par­ti­lhou (com Bert Kro­e­mer e Jack St. Clair Kilby) o Pré­mio Nobel de Físi­ca em 2000 “para o desen­vol­vi­men­to de hete­ros­tru­tu­ras de semi­con­du­to­res usa­das em alta velo­ci­da­de e opto­e­le­tró­ni­ca”. Alfe­rov inven­tou o hete­ro­tran­sis­tor. Isto per­mi­tiu lidar com frequên­ci­as mui­to mais altas do que seus ante­ces­so­res, e apa­ren­te­men­te revo­lu­ci­o­nou o tele­mó­vel e as comu­ni­ca­ções por saté­li­te. Alfe­rov e Kro­e­mer apli­ca­ram de for­ma inde­pen­den­te esta tec­no­lo­gia para dis­pa­rar luzes laser. Isto, por sua vez, revo­lu­ci­o­nou o dese­nho de semi­con­du­to­res numa série de áre­as, incluin­do LEDs, lei­to­res de códi­gos de bar­ras e CDs.

Nes­ta sema­na que pas­sou ficá­mos a saber que exis­te uma orga­ni­za­ção empe­nha­da em uti­li­zar a tec­no­lo­gia de impres­são 3D para a cri­a­ção de casas em paí­ses em vias de desen­vol­vi­men­to. Nas coli­nas de BAIXA-SLUNG de El Sal­va­dor, cons­truir uma casa não é uma tare­fa fácil. A ter­ra é vul­ne­rá­vel a ter­re­mo­tos, inun­da­ções, erup­ções vul­câ­ni­cas. As estra­das são frá­geis e a ener­gia eléc­tri­ca é escas­sa. Nos últi­mos anos, New Story — uma ins­ti­tui­ção de cari­da­de resi­den­ci­al com sede em São Fran­cis­co — cons­truiu mais de 150 casas, subs­ti­tuin­do lonas e abri­gos de suca­ta por casas que pos­su­em telha­dos e pisos ade­qua­dos. É um tra­ba­lho len­to e labo­ri­o­so num país onde qua­se um ter­ço da popu­la­ção está sem abri­go. Cer­ca de um ano atrás, a orga­ni­za­ção come­çou a pro­cu­rar por for­mas alter­na­ti­vas para cons­truir estas tão neces­sá­ri­as casas e des­co­briu que a impres­são em 3D pode­ria ser uma opção.

Tam­bém esta sema­na ficá­mos a conhe­cer um jovem de Andor­ra de nome David Agui­lar, que des­de mui­to novo era obce­ca­do por Lego. Ele pas­sou a sua infân­cia a cons­truir car­ros, aviões, heli­cóp­te­ros e, even­tu­al­men­te, sua pró­pria pró­te­se. Nas­ci­do com um bra­ço defor­ma­do, o auto-deno­mi­na­do “Hand Solo” deci­diu levar as suas habi­li­da­des de cons­tru­ção de Lego para o pró­xi­mo nível. Aos 18 anos, ele aper­fei­ço­ou o seu pro­je­to com o MK2, uma pró­te­se para o bra­ço com a capa­ci­da­de de dobrar e pegar objec­tos com um aper­to de pin­ça.

Ontem foi o dia PI, como é conhe­ci­do o dia 14 do mês 3, e a fun­da­ção Rasp­ber­ry PI resol­veu anun­ci­ar nes­sa data o novo Rasp­ber­ry PI 3 B+. As prin­ci­pais melho­ri­as des­te mode­lo são um pro­ces­sa­dor ARM Cor­tex-A53 CPU com 4 núcle­os a 1.4GHz, Wifi Dual-band 802.11ac wire­less LAN, Blu­e­to­oth 4.2, ether­net Giga­bit (limi­ta­da a 300MBps), melho­ri­as no boot de PXE e de USB e melho­ri­as na ges­tão tér­mi­ca.

Na News­let­ter des­ta sema­na apre­sen­ta­mos diver­sos pro­je­tos de maker. É apre­sen­ta­da tam­bém a revis­ta newe­lec­tro­nics de 13 de Mar­ço de 2018 e o livro Git Magic sobre diver­sos tru­ques na uti­li­za­ção des­te sis­te­ma de ver­si­o­na­men­to.

Esta News­let­ter encon­tra-se mais uma vez dis­po­ní­vel no sis­te­ma docu­men­ta do altLab. Todas as News­let­ters encon­tram-se inde­xa­das no link.